São Sebastião

Quadrilha que roubava gado tentou matar vaqueiro em São Sebastião

O vaqueiro trabalha como funcionário da fazenda e teria visto um homem furtando o gado. A PCDF prendeu três homens e apreendeu 23 cabeças de gado

Darcianne Diogo
postado em 07/05/2021 16:41
 (crédito: PCDF/Divulgação)
(crédito: PCDF/Divulgação)

Uma grave tentativa de latrocínio (roubo seguido de morte) de um vaqueiro em uma fazenda de São Sebastião, ocorrida na terça-feira (4/5), levou os investigadores da 30ª Delegacia de Polícia a uma quadrilha especializada por furtar gado na zona rural da região. Nesta sexta-feira (7/5), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) deflagrou a primeira fase da operação Free Boi e prendeu três homens.

O vaqueiro trabalha como funcionário da fazenda e, segundo as investigações, enquanto caminhava pelo pasto, avistou um homem furtando os animais. Ao questionar o rapaz, o suspeito o agrediu com várias pedradas na cabeça e só parou ao acreditar que a vítima estava morta.

Durante uma noite inteira, o trabalhador ficou agonizando no pasto. Na manhã do dia seguinte, na quarta-feira (5/5), o dono da fazenda encontrou o funcionário inconsciente com graves lesões na cabeça e com parte da orelha lacerada. O homem foi encaminhado ao Hospital Regional do Paranoá e permanece internado.

Investigação


A polícia conseguiu identificar o homem suspeito de tentar matar o vaqueiro, o qual teve a prisão decretada pela Justiça na madrugada desta sexta-feira (7/5). Os investigadores chegaram ao paradeiro de outros dois responsáveis por transportar o gado roubado. Segundo o delegado-adjunto da 30ª DP, Ulysses Luz, há indícios de que esses indivíduos encomendaram outros furtos ocorridos em São Sebastião e em Planaltina.

Durante as buscas, a equipe encontrou 23 gados roubados. A carga é avaliada em R$ 80 mil, mas o receptador teria comprado os animais por R$ 45 mil. “A prisão desses três autores revelou apenas a ponta do iceberg desse esquema criminoso, que será profundamente investigado ao longo das próximas semanas”, finalizou o investigador.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE