CRIME

Falsa agente do Detran que prometia empregos na autarquia é presa pela PCDF

Mulher se apresentava como agente do Detran e oferecia empregos de motorista em empresas terceirizadas que atuam no órgão público. A Polícia Civil divulga imagem e nome da estelionatária para encontrar outras possíveis vítimas do golpe

Cibele Moreira
postado em 15/07/2021 12:55
 (crédito: PCDF)
(crédito: PCDF)

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) prendeu, nesta quarta-feira (14/7), Joyci Alves de Siqueira, 36 anos, acusada de estelionato contra, ao menos, cinco vítimas no Distrito Federal. De acordo com as investigações da 38ª Delegacia de Polícia (Vicente Pires), a envolvida se apresentava falsamente como agente do Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran) para oferecer vagas de emprego a motoristas de aplicativo. A oferta era para atuar em empresas terceirizadas do órgão público. 

Uma das vítimas apresentou denúncia na delegacia informando sobre o golpe que sofreu. O motorista contou aos policiais que realizou uma corrida em 8 de junho, no trajeto entre o Setor H Norte em Taguatinga e um condomínio situado Vicente Pires. Durante a viagem, a passageira ofereceu um emprego como motorista do Detran.

A acusada garantiu à vítima que havia quatro vagas disponíveis para preencher, em um total de 17 funcionários que seriam contratados. E que um amigo, que trabalhava em uma empresa terceirizada, estaria realizando a contratação. A mulher então perguntou se ele sabia dirigir caminhão de pequeno porte. O motorista do aplicativo afirmou que precisava de trabalho e aceitou a proposta.

O homem trocou contatos telefônicos e encaminhou o currículo à suspeita. Após uma semana, o parceiro da acusada entrou em contato com a vítima e solicitou a aquisição de um celular com determinado sistema operacional que, segundo o estelionatário, seria compatível com o órgão público. Para receber o aparelho telefônico, ele teria que efetuar um pagamento de R$ 2 mil. O motorista pagou R$ 730, por meio do pix, mas não recebeu o telefone. Ao questionar sobre o trabalho, a estelionatária afirmou que não haveria contratação se a dívida não fosse paga.

Após tomar conhecimento do golpe, a equipe da 38ª delegacia descobriu que a suspeita tem condenação criminal pelos crimes de estelionato e apropriação indébita e que estava, atualmente, em regime domiciliar de cumprimento de pena. Os policiais foram até a casa da mulher, situada no Setor H Norte de Taguatinga, e a prenderam por estelionato.

A acusada confessou a prática ilícita no interrogatório e disse que havia aplicado o golpe em outras quatro vítimas. O aparelho de telefone celular da suspeita foi apreendido e, durante a análise, foram encontradas outras vítimas. Os policiais constataram que a mulher prometia facilidades para alterar a categoria das CNHs de interessados mediante o pagamento de vantagens indevidas.

Para encontrar outras possíveis vítimas, a polícia divulga a imagem e o nome da estelionatária. Quem sofreu com o golpe ou conhece alguém que passou por essa situação em relação à acusada pode denunciar anonimamente pelo site da Polícia Civil ou pelo disque-denúncia (197). 

Em nota, o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) informou que Joyci Alves jamais pertenceu ao quadro de servidores do órgão. O Detran ressaltou ainda que não realiza seleção de pessoal para contratação de funcionários por empresa terceirizada. "Todo processo seletivo para ingresso na autarquia se dá por meio de publicação no Diário Oficial do DF", destacou.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE