Pandemia

Pandemia: setor de eventos matrimoniais vive tímida retomada no DF

Após ver o número de realização de casamento cair em 82% com o início da pandemia, empresários do setor de festas de casamentos acreditam que, com o avanço da vacinação, seja possível ensaiar uma boa recuperação para o próximo ano

Samara Schwingel
Mariane Rodrigues
postado em 17/07/2021 06:00
Proprietário do Recanto Oásis, Jhonatas Brito precisou reduzir as contratações no início da pandemia, mas, agora, voltou a convocar parte do pessoal -  (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)
Proprietário do Recanto Oásis, Jhonatas Brito precisou reduzir as contratações no início da pandemia, mas, agora, voltou a convocar parte do pessoal - (crédito: Minervino Júnior/CB/D.A Press)

Com o início da pandemia de covid-19, um dos setores de eventos que foi impactado negativamente foi o de festas de casamentos. De acordo com dados da Associação Brasiliense de Empresas e Autônomos do Setor da Cadeia Produtiva de Eventos Sociais e Corporativos, Buffet e Afins (Abraeventos), em março de 2020, a média mensal de eventos no Distrito Federal caiu de 4,5 mil para 810 — equivalente a uma redução de 82% quando comparado com março-dezembro de 2019.

Este ano, em seis meses, a quantidade de festas realizadas não chegou a 60% do registrado em 2019, mas há a esperança de que, com o avanço da vacinação contra a covid-19, seja possível pensar em uma retomada mais rápida.

Empresas e pessoas envolvidas em cerimônias de casamento fazem parte do setor de eventos que, em 2020, perdeu R$ 270 bilhões em todo o país, devido à pandemia. A presidente da Abraeventos, Karla Vinhas, explica que a queda na realização de casamentos ocorreu no primeiro lockdown decretado no DF, em março de 2020. “Os clientes para 2020 remarcaram para 2021. Quando nos liberaram, não havia eventos marcados”.

Ela explica que muitos casais optaram pela união apenas no civil e deixaram a comemoração para depois da crise sanitária. Segundo o Portal de Transparência do Registro Civil, em 2020, o DF teve 15.348 casamentos — 4.939 a menos que no ano anterior. Este ano, até julho, foram 10.121.

A presidente da Abraeventos espera que, com o avanço da vacinação contra a covid-19, as pessoas voltem a realizar as cerimônias. “Espero que os eventos possam se expandir de uma forma mais íntima e segura. Precisamos de uma atuação conjunta entre as entidades e o governo, para gerar uma recuperação para o setor”, complementa. Porém, Karla alerta para a possível alteração de preços. “Para seguir todo o protocolo, acaba tendo um custo com máscara e higienização, e esses custos são repassados”, comenta.

Jhonatas Edward Oliveira de Brito, 31 anos, é proprietário do Recanto Oasis e da Castros Buffet, em Taguatinga. Além de alugar o local para casais, ele oferece o serviço de buffet, ornamentação e DJs. O empresário conta que, com o início da pandemia, precisou cortar a contratação de freelancers durante os fins de semana. “O faturamento do nosso setor de eventos reduziu a quase zero. Outros setores tiveram redução de 30% a 50%. A gente sofreu muito”, lamenta.

Com a última autorização para a realização de eventos, após as medidas restritivas adotadas pelo governo em março deste ano, o empresário conseguiu recontratar 10 dos 20 funcionários fixos, além de alguns freelancers. “Antigamente, fazíamos eventos para 500 pessoas, hoje fazemos para uma faixa de 50 a 100 pessoas”, comenta.

Arrecadação

O fotógrafo Gabriel Ribeiro, 34, trabalha em casamentos há 11 anos. Antes da crise sanitária, ele realizava de 40 a 60 eventos por ano. “Ano passado, teve mais de 30 adiamentos e oito cancelamentos. Muitos colegas tiveram prejuízos e acabaram abandonando a área”, explica o autônomo. Ele acredita que a pandemia vai modificar a forma de se comemorar a união estável. “Acredito que a tendência agora é os clientes procurarem por uma proposta mais intimista, para poucos convidados, mesmo com as pessoas vacinadas”, prevê.

Para o presidente do Sindicato das Empresas de Promoção, Organização, Produção e Montagem de Feiras, Congressos e Eventos do DF (Sindeventos-DF), Luis Otávio Neves, há outros profissionais na mesma situação que Gabriel. “A arrecadação do setor caiu muito, quase a zero. As empresas que conseguiram sobreviver foram, em grande parte, graças às medidas do governo local, que autorizou a isenção de impostos como o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA)”, diz.

Neves destaca que 2022 tem possibilidade de ser um ano melhor. “Nosso termômetro é a vacinação. Então, estamos mais animados para o próximo ano. É importante que esse setor se recupere logo, pois envolve muitas empresas e colaboradores e, assim, movimenta a economia local”, diz o presidente do Sindeventos.

Expectativa

Para uma possível retomada em 2022, é preciso que os empresários e autônomos envolvidos no setor de eventos tenham um capital de giro. O economista e coordenador do curso de economia do Centro Universitário Iesb, Riezo Almeida, considera que haverá uma demanda reprimida de clientes quando a vacinação estiver mais avançada. “É importante que as empresas tenham de 10% a 15% da atual receita como reserva para atender a grande quantidade de pessoas que optaram por esperar para realizar as festas’’, diz.

“Se não houver essa reserva e não se conseguir atender ao mercado, mais empresas podem deixar de funcionar quando houver a retomada”, ressalta. Apesar disso, Riezo reforça a expectativa positiva para o próximo ano. “Os eventos foram muito prejudicados, mas, de dezembro deste ano para frente, é possível que haja uma melhora significativa”, comenta.


Palavra de Especialista

Riscos sanitários: “Casamentos, festas de aniversários ou grandes reuniões corporativas são eventos que têm como características a presença de um grande número de pessoas. Então, em qualquer local, mesmo que aberto e arejado, onde se junta pessoas que vão tirar a máscara para comer, cantar ou beber, haverá dispersão de partícula viral e possibilidade de contaminação pela covid-19.

Nesses locais, é praticamente inevitável que não haja contaminação se houver um transmissor. Lembrando que um transmissor pode ser quem se vacinou, um assintomático ou quem ainda não desenvolveu sintomas. Ou seja, não tem como ter um controle muito efetivo, mesmo com o cumprimento das medidas de segurança e a fiscalização por parte do DF-Legal. A única forma de evitar a contaminação é garantir o distanciamento e o uso correto da máscara 100% do tempo. Mas sabemos que isso é difícil”. Ana Helena Germoglio, infectologista

Restrições e flexibilizações

Em 18 de março de 2020, o GDF decretou o primeiro lockdown para combater a disseminação da covid-19. Festas e eventos ficaram proibidos. Em 6 de outubro, eventos com até 100 pessoas foram liberados. Em 28 de fevereiro de 2021, as atividades consideradas não essenciais, como eventos, voltaram a ser suspensas. Apenas em 13 de maio, o governo voltou a permitir festas de casamentos, aniversários e outros em salões ou casas de festa até as 23h. Em 5 de julho, o horário de funcionamento foi ampliado para meia-noite, com 50% da capacidade.

 

Casamentos em cartório no DF 

Ano Registros Média mensal
2019 20.287 1.690
2020 15.348 1.279
2021* 10.121 1.686


Fonte: Portal de Transparência do Registro Civil

*Os dados de 2021 são referentes ao período de 1º de janeiro a 16 de julho. 

Mudanças nas cerimônias 

Tayllon e Loaynne Alves optaram por um casamento intimista -  (crédito: Arquivo Pessoal)
crédito: Arquivo Pessoal

Apesar da queda no volume e dos cancelamentos de festas de casamentos, a pandemia não desanimou os casais. Quem optou por se casar em meio à crise sanitária teve de readequar a cerimônia à nova realidade. Loaynne Susy Campos Alves, 26 anos, casou-se em dezembro de 2020 com Tayllon Henrique Campos Alves, 27. O formato escolhido por ela e pelo noivo foi de um casamento intimista, para 34 convidados, no restaurante Coco Bambu.

Ela conta que não achou vantajoso adiar o casamento, “Estávamos planejando nos casar, mas já não tínhamos condições para fazer uma festa grande para toda a família”, detalha. Para não deixar outras pessoas de fora da celebração, o casal fez uma transmissão ao vivo do evento. Na visão de Loyanne, o vídeo foi, também, uma forma de levar um momento de alegria aos familiares em tempos pandêmicos.

Em junho de 2021, Clara Oliveira Costa Vilas Bôas, 21, casou-se e celebrou a união. Para a jovem, o mais desgastante foi administrar as preocupações normais da festa e acumular com a tensão da espera de decretos que liberassem eventos. “Eu ia fazer o casamento para 200 pessoas. Logo que começou a pandemia, eu e meu noivo decidimos diminuir para 50 convidados, somente núcleo familiar e padrinhos”, explica. O casal decidiu não adiar o casamento, mas o governo local ainda não havia liberado eventos sociais. Em maio de 2021, o decreto foi alterado e conseguiram realizar a cerimônia.

Porém, as mudanças não se limitam aos noivos. Empresária do setor de eventos desde 2013, Raissa Cavalcante conta que, atualmente, a procura aumentou para casamentos no estilo micro ou mini, arranjados para 10, 25 ou 50 pessoas. Segundo ela, alguns casais estão optando por realizar cerimônias na igreja, em casa ou no civil (cartório) e fazer recepções em restaurantes.”Estamos muito animados em poder voltar a realizar esses eventos. Mesmo seguindo os protocolos atuais, os casais não querem deixar de celebrar e viver esse dia único e tão especial como eles sonham”, finaliza Raissa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE