ARBOVIROSE

Registros de dengue caem 72%, mas DF tem sexta maior incidência do país

Mesmo com diminuição dos casos prováveis da doença entre 3 de janeiro e 3 de julho, capital federal tem uma das maiores taxas de registros por 100 mil habitantes do país. Das regiões administrativas, Planaltina é a única que apresenta alta das notificações

Jéssica Moura
postado em 20/07/2021 06:00
Maria Clara se preocupa com a falta de visitas dos agentes de saúde -  (crédito: Arquivo Pessoal)
Maria Clara se preocupa com a falta de visitas dos agentes de saúde - (crédito: Arquivo Pessoal)

As notificações de casos prováveis de dengue no Distrito Federal caíram 72,8% nos primeiros seis meses deste ano. A Secretaria de Saúde (SES-DF) verificou a queda entre 3 de janeiro e 3 de julho, na comparação com o mesmo período do ano passado — antes e durante o período de estiagem. Em geral, o pico de casos ocorre após os meses mais chuvosos, de novembro a maio, quando o mosquito Aedes aegypti, vetor da doença, consegue se multiplicar em criadouros com água parada.

Em 2020, houve 45.487 casos de infecção provável de dengue, contra 12.371 em 2021. Os números, divulgados no mais recente boletim epidemiológico da SES-DF, consideram tanto registros entre moradores do DF quanto de pacientes com domicílio em outras unidades da Federação. Para especialistas, a redução nos números era esperada. A epidemiologista Marcela Lopes explica que essa virose tem comportamento “cíclico epidêmico”. “Não são todos os anos que temos a epidemia. Ela se alterna a cada três ou cinco”, observa. Após a mais recente epidemia, em 2019, há chances de novo aumento de casos em 2022, no DF.

Apesar da diminuição, a capital federal teve registros de morte pela doença neste ano. A primeira ocorreu em abril. De lá para cá, houve mais seis vítimas da dengue. Em todo o ano passado, foram 39. “Não estamos em uma situação tranquila em relação aos casos. Não devemos baixar a guarda. Temos de nos manter vigilantes e fazer o que está às nossas mãos para evitar a disseminação dessa virose”, alerta Marcela.

Índice

Mesmo com a queda na quantidade de casos prováveis e mortes, o DF registra uma das maiores taxas de incidência da dengue do país. No mais recente boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, que considera casos computados até 15 de maio, a capital federal ocupava a sexta posição no ranking das unidades da federação com mais infecções entre grupos de 100 mil habitantes. Os registros prováveis correspondem àqueles notificados e não descartados após teste negativo de infecção pela doença.

Na ocasião, o DF teve índice de 238,2 casos por 100 mil habitantes. A maior taxa registrada apareceu no Acre, com 1.526,4 notificações. A menor foi verificada em Sergipe, com 9,9 ocorrências. A orientação para todos os casos é de, ao apresentar sintomas, procurar a unidade de saúde mais próxima, especialmente para evitar a subnotificação.

Alta

Enquanto 32 regiões administrativas tiveram queda nos casos de dengue, a cidade de Planaltina foi a única a registrar alta nas notificações da doença. O aumento, na comparação com 2020, foi de 21,3%. A região administrativa tem 2.468 casos sob análise. Somada às cidades de Sobradinho (1.088), Ceilândia (920), Sobradinho 2 (660) e São Sebastião (625), elas respondem por mais da metade de todos os registros do DF — 56,5% de casos prováveis.

A professora Maria Clara Xavier, 33 anos, demonstra apreensão com a falta de visitas de agentes de saúde na região norte do DF. “É preocupante. Sabemos que a dengue precisa de um cuidado coletivo. Eu soube de muitos vizinhos que tiveram a doença”, comenta a moradora de Planaltina, que também reclama da quantidade de mato na cidade. “Enquanto isso, tentamos manter o quintal sempre limpo, a caixa d’água sempre tampada, colocamos água sanitária nas plantas”, elenca.

De janeiro a junho, a Secretaria de Saúde do DF vistoriou mais de 700,5 mil imóveis em busca de criadouros do Aedes aegypti. A pasta informou que a rotina de cuidados e combate ao mosquito se mantém durante todo o ano e envolve várias ações, incluindo tratamento focal com inseticidas e larvicidas, aplicação de inseticidas e visitas domiciliares.

Perfil

Infectados pela dengue no Distrito Federal, em 2021:

Homens 45,6%
Mulheres 53,9%

Menos de 1 ano 1,3%
1 a 4 anos 3,3%
5 a 9 anos 4,9%
10 a 14 anos 5,4%
15 a 19 anos 6,1%
20 a 29 anos 18,6%
30 a 39 anos 19,4%
40 a 49 anos 17,3%
50 a 59 anos 12,7%
60 a 69 anos 6,6%
70 a 79 anos 2,9%
80 anos e mais 1,5%

Fonte: Secretaria de Saúde (SES-DF)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE