PARCERIA

Aeroporto de Brasília vai atuar no combate ao tráfico de plantas e animais

Acordo assinado com ONG presidida pelo príncipe William prevê medidas de combate à comercialização irregular de plantas e animais silvestres. Aeroporto da capital federal é o primeiro do país e o segundo da América Latina a integrar iniciativa

Correio Braziliense
postado em 19/07/2021 23:17 / atualizado em 19/07/2021 23:20
Terminal aéreo da capital federal fará parte de grupo com mais de 40 empresas e organizações do mundo todo -  (crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Terminal aéreo da capital federal fará parte de grupo com mais de 40 empresas e organizações do mundo todo - (crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

O Aeroporto de Brasília assinou um documento que permitirá ajudar no combate ao tráfico internacional de plantas e animais silvestres. Com a Declaração do Palácio de Buckingham — sede da família real britânica —, a Inframerica unirá esforços à ONG United for Wildlife ("unidos pela vida selvagem", em tradução do inglês) para preservar a vida de seres vivos ameaçados de extinção.

A organização não governamental existe desde 2014 e tem o príncipe William como presidente. O Aeroporto de Brasília, administrado pela Inframerica, é o primeiro do Brasil e o segundo da América Latina a integrar o acordo. O primeiro da região a assinar a declaração foi o Aeroporto Ecológico de Galápagos, no Equador.

Por meio do Conselho Internacional de Aeroportos para América Latina e Caribe (ACI-LAC), a concessionária do terminal aéreo da capital federal fará parte de um grupo de 40 empresas e organizações do mundo cujo compromisso é combater o tráfico internacional de vidas selvagens. O coletivo atua para identificar suspeitos de comércio ilegal, compartilhar informações, desenvolver mecanismos harmônicos de atuação, entre outras medidas.

Denúncias

Os primeiros passos como integrante da ONG é adotar políticas de tolerância zero em relação ao tráfico de plantas e animais silvestres, bem como colaborar com a divulgação da campanha, para que funcionários e passageiros fiquem informados sobre a importância do movimento.

A Inframerica também auxiliará com materiais educativos equipes de instituições públicas que atuam no terminal aéreo, como Polícia Federal, Receita Federal e Vigiagro, bem como empresas terceirizadas. A concessionária também será um ponto para sanar dúvidas e ajudar no trabalho de fiscalização.

Nos últimos cinco anos, DF registrou mais de 4,5 mil ocorrências ambientais desse tipo. Os números levam em conta dados até 30 de abril. Em 2020, o Instituto de Criminalística (IC) da Polícia Civil do Distrito Federal contabilizou prejuízos de quase R$ 30 milhões em danos ambientais.

A Inframerica receberá denúncias dos delitos pelo telefone: 61 998-048-949, por ligação ou WhatsApp.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE