Lazer

Esporte e cultura sobre quatro rodas: grupo se reúne para patinar de quad

Por meio de movimentos coordenados, música e adrenalina, um grupo de aproximadamente 100 pessoas se reúne em espaços abertos do DF para patinar de quad

Rafaela Martins
postado em 09/10/2021 19:57 / atualizado em 11/10/2021 11:03
 (crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
(crédito: Carlos Vieira/CB/D.A Press)

Adrenalina em quatro rodas pode lembrar automobilismo para muitas pessoas. Porém, para os amantes do quad, a sensação de estar em cima de pequenas rodas velozes, com o vento batendo no rosto, traz à memória uma época que não volta mais: os anos 1970 e 1980. Desde o início da pandemia, aumentou a procura por exercícios que podem ser praticados em ambientes abertos e de forma individual. Isso foi motivo suficiente para voltar à cena o patins que parece um tênis com quatro rodinhas. Parque da Cidade, Parque de Águas Claras, Museu da República, Torre de TV, Deck Sul, entre outros, são alguns dos ambientes que recebem esportistas diariamente, em busca de uma vida leve e saudável.

Esse foi o caso da empreendedora Bianca Mendes, 25 anos, que não andava de patins havia anos, mas, com a pandemia, encontrou motivos para ressignificar seu dia a dia. “Patinava na infância, desde os 4 anos, mais ou menos, mas depois de um tempo, parei. Em setembro de 2020, comecei a ver alguns vídeos das gringas fazendo passos, dançando, fazendo manobras em skate park, e fiquei com muita vontade de retomar o esporte com patins quad. Em outubro comprei um, comecei a patinar com meu namorado e algumas pessoas, mas eu era a única de quad. Comecei a procurar pessoas que patinavam de quad em Brasília, mas era bem difícil de achar”, conta.

A dificuldade de encontrar informações sobre o assunto motivou o contador Ricardo Ribeiro, 26, a pegar uma câmara, colocar os patins nos pés e publicar em redes sociais a potência do esporte, em 2017. Mesclando cultura, arte e bem-estar, Ricardo se apaixonou pela modalidade quad antes mesmo de ter uma referência. Tudo que está por trás de um patins dos anos 1970, 1980 — cores, formato, músicas, diversidade — encantou o atual professor de patinação e referência de quad no Brasil. Ele contou ao Correio que se sentiu desafiado quando subiu no quad pela primeira vez.

“Os movimentos eram feios. Eu caí várias vezes, e isso me deixou com mais vontade de aprender a andar e aprender os movimentos. Mas naquela época, só tinha eu que andava com esse patins em Brasília. A patinação quad sempre me trouxe bem-estar, é um esporte muito prazeroso, que me permite expressar emoções e sentimentos por meio dos passos executados. A patinação quad, para mim, é cultural, há uma relação forte entre prazer e sentimento. Além disso, me deu a oportunidade de conhecer pessoas maravilhosas, viajar para outros estados do Brasil a fim de promover eventos e também de ser reconhecido fora do país”, ressalta o patinador.

Mesmo com as adversidades, isso não atrapalhou o sonho do atual professor de ir atrás de um objetivo: democratizar o esporte. “Quando eu comecei, não havia quase ninguém que patinava de quad no Brasil, tampouco em Brasília. Desde então, eu trabalho com a disseminação do esporte em todo o Brasil. Foi aí que abri um canal no YouTube e comecei um árduo trabalho, que levou anos para dar bons frutos. Além disso, eu prefiro o quad pela vibe old-school dos anos 1970, 1980 e 1990, da cultura disco/vintage, em que havia muita essência em tudo que era feito. As melhores músicas, por exemplo, são dessa época. O quad possui uma beleza única, que encanta qualquer pessoa na rua. É um charme que não dá para explicar, mas não é só isso. O quad permite a prática de várias modalidades diferentes, saindo do glamour do roller dance para a radicalidade em pistas de skate”, explica.

Quad gang

Há 11 meses, nascia o grupo que, por meio de danças, roupas old school e cores vibrantes somam as belezas das ruas do Distrito Federal. Atualmente, conta com aproximadamente 100 participantes, que moram em diferentes locais da capital, possuem habilidades e idades distintas. O grupo é inclusivo para todos que querem patinar. Guilherme da Silva, 31, é um dos fundadores e integrantes da quad gang. Ele relata que o esporte apareceu em um momento complicado de sua vida, pois o enfermeiro não estava com a saúde boa. O canal de Ricardo foi uma referência para o rapaz, que logo comprou os patins e deu início às aulas.

“Devido à pandemia, parei de frequentar academia. A ansiedade relacionada ao isolamento e a minha profissão me fizeram ganhar 12 quilos. Tornei-me pré-diabético e sentia muitas dores nas costas relacionadas ao sedentarismo. Então, me deparei com a realidade de ter que achar um esporte que eu gostasse, pois daquela forma eu não poderia ficar. Comecei a pesquisar na internet sobre o patins quad e me deparei com o canal do Ricardo. Quando descobri que ele era de Brasília, dei um pulo de alegria, comprei meu patins e dei início às aulas. Hoje, não sinto mais dores e perdi alguns quilos. Não foi fácil, pois todo esporte que você nunca praticou leva tempo até você começar a conseguir fazer algo, mas hoje não me vejo sem. Patinação é um esporte intenso, em que se gasta muita caloria e se cria muita resistência física”, diz.

O grupo é destinado a pessoas que sabem ou não patinar. Do iniciante ao avançado, todos são bem-vindos. Durante a semana, acontecem três encontros; aos fins de semana, também. Ricardo diz que tenta manter uma constante para que os membros permaneçam motivados a aprimorar as habilidades. “Não há um padrão de treino a cada encontro, mas, sim, passar os pilares básicos da patinação para um bom progresso: técnicas de freio, equilíbrio, perda do medo e a patinação básica como um todo sempre acontece”, relata.

Para a terapeuta Manu Parente, 41, o patins é o momento em que ela consegue ser feliz e se distrair das obrigações cotidianas. “Patinar é a cereja do bolo do meu dia. Nem digo que é meu momento de exercício, porque na verdade é meu momento de felicidade. A gente morre de rir, vence pequenos desafios, pratica a perseverança, a coragem e o amor. Assim, deixa todos os obstáculos do dia para trás, soltos no vento. É um pouco como voar. O quad é lindo, pois tem esse design retrô e toda a memória dos anos 1970, que ganham meu coração. Além disso, seu formato permite uma maior liberdade de movimentos para dançar e fluir de forma mais graciosa”, revela.

Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva
Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva
Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva (foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press)
 

Patinódromo

A Secretaria de Esporte e Lazer (SEL) informou ao Correio que construirá um Patinódromo no Parque da Cidade. “Sabemos que a capital é um celeiro de grandes talentos, e reconhecendo a procura de atletas por locais adequados para a prática esportiva, a pasta do Esporte vai construir o patinódromo do Parque da Cidade. O projeto, realizado pela SEL, com o apoio da Seduh, agora está em processo de elaboração dos projetos complementares para em seguida ser licitado”, disse a secretaria, por meio de nota.

Assim que concluído, o espaço será a segunda pista de patinação em velocidade de todo o país. Atualmente, o Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade recebe treinos de equipes de patins e skate — às terças e sábados, das 19h às 21h. Por meio do programa Compete Brasília, existe a possibilidade de patinadores profissionais de alto rendimento solicitarem passagens terrestres e aéreas para participarem de competições nacionais e internacionais.

Quad gang

Para participar do grupo, basta entrar em contato pelo Instagram @quadgangbrasilia.

Origem

A partir de 1863, surgiram os patins chamados tradicionais — com dois pares de rodas paralelas em cada pé — ou quad, como são conhecidos nos Estados Unidos. Em Brasília, o esporte começou a se popularizar a partir de 2017. O preço de um quad no Brasil varia entre R$ 500
e R$ 1 mil.

  • Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva
    Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
  • Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva
    Grupo quadgang troca experiência e mantém cultura dos anos 70/80 viva Foto: Carlos Vieira/CB/D.A Press
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE