Previsão do tempo

Inmet prevê feriado quente e chuvoso em todo o Distrito Federal

Pelo menos oito regiões do Distrito Federal registraram precipitações no domingo (10/10). Bombeiros foram acionados para ocorrências de queda de árvores, desabamento e acidentes de trânsito sem vítimas. Nos próximos dias, o Inmet prevê pancadas de chuva fortes à tarde

» Ana Isabel Mansur
» Júlia Eleutério
postado em 11/10/2021 06:00
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Depois de um longo período de seca no Distrito Federal, as chuvas começam a aparecer com mais frequência. Ontem, a previsão do tempo começou a mudar na capital federal e foi possível se refrescar com a chuva. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), o tempo continuará assim tanto nesta segunda-feira (11/10) quanto na terça (12/10), sendo dois dias com a precipitações nos períodos da tarde e da noite.

“O tempo vai ficar mais fechado com chuvas a qualquer hora do dia, mas, no período da tarde, há chances de pancadas de chuva e rajadas de vento mais fortes. Isso não está descartado”, destaca o meteorologista do Inmet, Heráclio Alves. “Na verdade, esta vai ser uma semana mais chuvosa, com isso a umidade fica mais alta e a temperatura diminui”, completa.

De acordo com o Inmet, a média de chuva esperada para outubro é de 159,8 milímetros. Apenas ontem, a estação meteorológica de Brasília registrou 47,6mm — cerca de 30% do previsto para o mês. Em Brazlândia, foram registrados 30,4mm e em Águas Emendadas, 29,6. No Paranoá choveu 28,2mm. Durante o fim de semana, as precipitações amenizaram o calor no Plano Piloto, Sudoeste, Sobradinho, Jardim Botânico, Vicente Pires, Planaltina, Águas Claras e Taguatinga.

Para o DF, a previsão indica que a temperatura máxima para hoje é de 31ºC e a mínima fica em torno de 17ºC. No feriado de amanhã, a máxima será de 30ºC e a mínima, de 18ºC. Nos dois dias, a umidade relativa do ar ficará entre 50% e 95%.

Para celebrar a dádiva da chuva que finda a estiagem no Planalto Central, Cleyson Rodrigues fez questão de parar o carro e dançar sob as águas no gramado do Eixo Monumental. Com o filho João Vítor, o funcionário público brincou com as poças d’água, relembrando um costume da infância. Do carro, a esposa de Cleyson e o caçula, de dois meses, observavam a animação.

Transtornos

Apesar do alívio trazido pela chuva, ocorreram acidentes de trânsito, quedas de árvores e alagamentos durante o temporal de ontem. Oito unidades do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF), espalhadas pelas regiões administrativas, foram acionadas durante a tarde. Entre 13h e 17h, os militares atenderam pelo menos 43 ocorrências relacionadas às precipitações. Equipes dos bombeiros se deslocaram para averiguar 26 acidentes de trânsito, 10 situações de corte emergencial de árvores, cinco registros de alagamentos e dois pedidos relacionados a desabamentos de construções.

Felizmente, as ocorrências de trânsito, entre capotamentos e colisões, por conta da chuva não deixaram nenhuma pessoa gravemente ferida. Na BR-040, uma carreta transportadora de granito tombou após deslizar e sair da pista. A cabine do veículo ficou praticamente pendurada no viaduto. Os dois passageiros foram resgatados sem ferimentos.

Na Asa Norte, as equipes precisaram serrar duas árvores. Na 602 Norte, a via ficou interditada por queda da planta e alagamento da pista. Na 104 Norte, uma árvore de grande porte tombou sobre a entrada da garagem do prédio vizinho. No viaduto da L2 Sul, que dá acesso ao Setor de Autarquias, um carro, com uma família — duas crianças, de 7 e 11 anos, e dois adultos —, ficou parcialmente submerso na via alagada. O nível da água chegou à altura dos vidros do veículo.

A Estação Central do metrô chegou a ficar alagada no início da tarde. A Companhia do Metropolitano do Distrito Federal (Metrô-DF) informou que não houve prejuízo à operação da estação nem à circulação dos trens em decorrência da inundação causada pela chuva. A equipe de manutenção da empresa foi acionada para escoar, por meio da limpeza e desentupimento das grelhas. A situação foi normalizada cerca de duas horas depois, de acordo com o Metrô-DF.

Parte do forro de gesso do teto de um restaurante na 403 Sul desabou devido ao acúmulo de água. O responsável pelo estabelecimento deverá realizar manutenção antes de voltar a atender ao público. Não houve vítimas.

Cuidados

A Defesa Civil alerta que, para os casos de destelhamento devido aos ventos fortes, a orientação é permanecer dentro da residência e procurar abrigo, como uma mesa ou cama, para evitar ser atingido por cacos e pedaços de telha. Para quem estiver na rua, quando começar uma chuva, algumas das recomendações são evitar lugares que ofereçam pouca ou nenhuma proteção contra raios e nunca se abrigar debaixo de árvores isoladas. O órgão explica que, como a tendência dos raios é procurar o caminho mais curto entre o solo e a nuvem onde foi produzido, não é recomendado estar perto de árvores ou estruturas metálicas.

Além disso, no momento da chuva, é recomendável não entrar em piscinas ou lagos, devido ao risco de raios e descargas elétricas. No caso de rios e cachoeiras, o alerta é ainda maior por causa da possibilidade de tromba d’água. Ante a possibilidade de alagamentos, a dica é não passar com os veículos por locais onde o condutor não consegue ver o meio-fio, que tem em torno de 25 centímetros de altura.

Colaborou Cibele Moreira

» Orientações

Veja dicas do Corpo de Bombeiros Militar do DF com medidas preventivas para casos de risco de alagamentos.

Antes

» Informe-se sobre abrigo em locais altos e secos, para você e sua família;
» Coloque documentos e objetos de valor em sacos plásticos bem fechados e em local protegido;
» Coloque em lugares altos seus móveis e utensílios (bem protegidos);
» Retire os animais de
estimação da casa;
» Desligue aparelhos elétricos, quadro geral de energia e feche o registro de entrada d’água;
» Retire todo o lixo e leve para áreas não sujeitas a enchentes;
» Feche bem as portas e janelas.

Durante

» Antes de tudo, salve e proteja sua vida, a de seus familiares e amigos. Se precisar retirar algo de sua casa, peça ajuda à Defesa Civil (199) e ao Corpo de Bombeiros (190). Em caso real de emergência, disque 100 que a telefonista o ajudará;
» Não volte para casa até as águas baixarem e o caminho estar seguro;
» Evite contato com as águas da enchente: elas estão contaminadas e podem provocar doenças e acidentes. Só entre na água se for absolutamente necessário. Proteja-se com calçados e botas;
» Evite acidentes;
» Não coma alimentos
que tiveram contato com as águas da enchente. Não beba água da enchente, em hipótese
alguma.
Depois

» Tenha cuidado: veja
se sua casa não corre o risco
de desabar;
» Raspe toda a lama e o lixo do chão, das paredes, dos
móveis e utensílios;
» Lave e desinfete os objetos que tiveram contato com as águas da enchente;
» Cuidado com aranhas, cobras e ratos, ao movimentar objetos, móveis e utensílios;
» Retire todo o lixo da casa e do quintal e coloque para a limpeza pública;
» Não use água de fontes naturais e poços depois da enchente, pois estão contaminadas.
» Informe-se na Unidade
de Saúde mais próxima.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE