Patrimônio

Pedra Fundamental de Planaltina tem marcas de tiro; moradores lamentam violência

Distante 46,5km do centro da capital federal, a pedra foi construída em 1922, no Morro do Centenário. Sem fiscalização, a estrutura está sendo danificada e não há previsão para conserto

Rafaela Martins
postado em 31/10/2021 19:17 / atualizado em 31/10/2021 19:40
 (crédito: Rafaela Martins/CB/DA Press)
(crédito: Rafaela Martins/CB/DA Press)

Moradores da região de Planaltina divulgaram nas redes sociais imagens da Pedra Fundamental — Patrimônio Histórico do Distrito Federal — danificada e com marcas de tiros, neste domingo (31/10). O Correio foi até o local conferir como estava a estrutura e o ambiente que a cerca.

Distante 46,5km do centro da capital federal, a Pedra Fundamental foi construída em 1922, no Morro do Centenário. O obelisco foi assentado em 7 de setembro por determinação do presidente, à época, Epitácio Pessoa, em comemoração ao centenário da Independência. Moradores da região lamentam as marcas causadas pelos disparos de arma de fogo.

Para Djacyr Ferreira, que frequenta o local há anos, encontrar o patrimônio deteriorado e sem fiscalização causa tristeza. Ela relatou que o lugar causa medo por ser isolado e não ter segurança.

“Essa é a terceira vez que venho aqui, porque gosto de olhar, refletir e ver o pôr do sol. Mas é uma pena que as pessoas estejam destruindo a benfeitoria. Se houvesse fiscalização e uma divulgação desse espaço, acho que seria algo bom para os moradores de Planaltina e turistas. Tem gente que mora por aqui há anos e não sabe que essa pedra existe”, relatou Djacyr.

Imagem de Pedra Fundamental com marcas de tiro em Planaltina foi divulgada
Imagem de Pedra Fundamental com marcas de tiro em Planaltina foi divulgada (foto: Divulgação/Redes sociais)

Visitação

A estrutura tem forma piramidal de base quadrada com 3,75m de altura. As faces estão orientadas pelos pontos cardeais — Norte, Sul, Leste e Oeste. No ano da instalação, a Constituição Federal já previa a mudança da Capital do Rio de Janeiro para Brasília.

Moradora de Planaltina há 30 anos, Antônia da Silva não conhecia o monumento. Porém, neste domingo, a amiga Djacyr Ferreira,47, levou a moça para dar uma volta e observar a paisagem. “Tirei o dia para conhecer esse lugar e estou adorando, pois nunca tinha vindo. Nossa, é maravilhoso tomar um vento e observar a região”, declarou Antônia.

Procurado pela reportagem, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) não se pronunciou até a publicação desta nota. O espaço segue aberto para esclarecimentos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE