ENTREVISTA

Não temos mais como esperar, diz secretária de Educação sobre aulas presenciais

Titular da pasta considera que salas de aula são lugares ideais para estudantes estarem neste momento. Além disso, lista quais medidas a pasta adotará para evitar prejuízos ao ensino na pandemia

Renata Nagashima
postado em 04/11/2021 06:00 / atualizado em 04/11/2021 07:18
A secretária de Educação do Distrito Federal, Hélvia Paranaguá -  (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
A secretária de Educação do Distrito Federal, Hélvia Paranaguá - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Os dados "muito bons" referentes à situação da covid-19 no Distrito Federal tornaram o momento apropriado para o retorno 100% presencial das aulas. É o que acredita a secretária de Educação, Hélvia Paranaguá. Nessa quarta-feira (3/11), no programa CB.Poder — parceria do Correio com a TV Brasília —, a chefe da pasta destacou que as escolas estão prontas desde agosto, quando houve retomada gradual e escalonada das atividades na rede pública. Agora, o órgão pretende mirar a questão da evasão escolar e do desequilíbrio no aprendizado devido às discrepâncias para acesso ao ensino virtual. Leia os principais trechos da entrevista concedida à jornalista Ana Maria Campos.

As escolas públicas retornam às aulas 100% presenciais. Qual foi a situação que a senhora encontrou nas visitas a elas?

Encontrei um momento de muita alegria. Depois de quase dois anos — estamos desde março de 2020 sem aulas —, em agosto, retornamos alternando (os alunos semanalmente). Hoje (quarta-feira), as turmas encontraram os colegas. Os estudantes estavam eufóricos. A escola é o lugar ideal para eles estarem neste momento. Visitei cinco no Gama, do jardim de infância ao ensino médio. Em todos os lugares, era o mesmo sentimento de alegria pelo retorno ao colégio.

A senhora acredita que chegamos a um ponto da pandemia em que dá para as pessoas conviverem mais próximas?

Os dados são muito bons. Temos tido todo o cuidado e muita preocupação com a questão da segurança do profissional da educação. As escolas têm cumprido todos os protocolos de segurança. No momento em que a criança chega à porta do colégio, é verificada a temperatura corporal. Há lavatórios desde os mais pequenos, para o jardim de infância, até os mais altos, a depender da idade da criança; além de álcool gel em todas as áreas internas e externas da escola. Os colégios estão preparados para receber estudantes e professores com segurança desde agosto.

Dentro de casa, nas aulas virtuais, os estudantes aprenderam?

Infelizmente, nós não temos a aula dita virtual, aquela que síncrona, em que o professor ministra o conteúdo, e o estudante, em casa, acompanha pelo computador ou pelo telefone. Em todas as escolas, temos uma série de problemas de internet. E, na área rural, é muito difícil. O que consideramos (ter) no DF é uma aula remota mediada por tecnologia: o professor faz vídeo com a matéria e manda para o estudante por WhatsApp ou leva material impresso. Então, não teve uma única forma. E o resultado (do ensino remoto) vai ser diferente por isso. Algumas escolas que tinham tecnologia mais avançada vão avançar mais do que as que não tiveram. Nesse trabalho de reforçar o que foi mais penalizado, vamos ter de fazer uma intervenção bem pesada.

Como foi a negociação com o Sindicato dos Professores?

Em relação à intenção deles de fazer a paralisação e à firmeza da secretaria (de Educação) em manter as aulas, eles alegam exatamente a questão da segurança. Mas não temos mais como esperar; os alunos precisam retornar à rotina. Hoje, o estudante fica cinco dias na escola e nove em casa. Essa quebra de rotina é ruim em todos os sentidos, principalmente no processo de aprendizagem, que é interrompido. Na semana que ele fica em casa, a aula é uma aula remota, assistida por tecnologia. Na realidade, ele leva a atividade da escola para fazer em casa, não é aquela aula como é para ser: com todo mundo junto discutindo e debatendo. E isso é muito importante.

No caso da evasão, com o retorno de todos os alunos, será possível avaliar se as crianças estão fora da escola?

Infelizmente, temos alguns dados levantados, principalmente de crianças em situação de vulnerabilidade social — como meninos do ensino médio que foram trabalhar porque o pai ficou desempregado. Muitos (estudantes) recebem o Bolsa Família e outros (benefícios de) programas sociais, mas acabou que eles não retornaram à escola, porque a presença escolar era fundamental para recebimento da pecúnia. Isso foi retirado, então, eles abandonaram a escola. Agora, vamos fazer uma busca ativa para trazê-los de volta. Esses alunos precisam estar no ambiente educacional.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE