Desaparecimento

Desaparecida: família de menina de 13 anos nota sumiço de roupas

A mãe de Tainá da Silva disse que não encontrou dois biquínis no guarda-roupas. A adolescente saiu de casa, em Samambaia, dizendo que iria para um passeio escolar e desapareceu

Darcianne Diogo
postado em 10/11/2021 13:47
Tainá da Silva está há seis dias desaparecida -  (crédito: Arquivo Pessoal)
Tainá da Silva está há seis dias desaparecida - (crédito: Arquivo Pessoal)

Familiares de Tainá da Silva, 13 anos, notaram o sumiço de algumas peças de roupas do guarda-roupas da menina. A adolescente saiu de casa na sexta-feira (5/11) dizendo que iria para um passeio na escola, em Samambaia. Ela não compareceu à instituição escolar e, desde então, segue desaparecida. A 32ª Delegacia de Polícia (Samambaia Sul) investiga o caso.

Ao Correio, a mãe de Tainá, Jane da Silva, 31, disse que não encontrou dois biquínis na gaveta, um rosa e outro colorido. “Não temos nenhuma informação de onde ela está, para onde foi e com quem está”, desabafou. Imagens do circuito interno de segurança de uma casa da Quadra 110 captou a menina passando pela rua, por volta das 6h20. (veja o vídeo abaixo).

Tainá saiu de casa com um vestido rosa, jaqueta preta, boné e uma mochila. Segundo a mãe, foi a última vez que foi vista. “Depois que começamos a divulgar as imagens, me ligaram dizendo que ela estaria no aeroporto. Fomos lá, mas não encontramos nada. Peço que as pessoas tenham cautela nisso. É muita dor e sofrimento que estamos enfrentando”, contou.

Percurso 


Para a mãe, Tainá disse que tinha uma excursão na escola, no Centro de Ensino Fundamental 120 (CEF 120). Durante a tarde, a menina chegou a trocar mensagens com a genitora pelo WhatsApp, dizendo que estava tudo bem.

Pouco depois das 18h, Jane estranhou a demora da filha e ligou por mais de 30 vezes no celular da menina, mas sem sucesso. Cerca de 30 minutos depois, a mãe recebeu um SMS do celular de Tainá, com a seguinte mensagem: “Estou em aula”, o que causou estranheza. “Ela não era de mandar torpedo. Nunca mandou. E do nada recebo essa mensagem”, disse Jane.

Desconfiada, a mãe foi até à escola e descobriu que a filha não havia comparecido à instituição e nem que havia passeio naquela data. A 32ª DP investiga o desaparecimento da adolescente. Quem souber do paradeiro de Tainá, pode ligar para o Disque 100 ou para os números 197, da Polícia Civil, ou 190, da Polícia Militar.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE