Entrevista | Frederico Candian — presidente da Neoenergia Brasília

Mais energia em 2022

Gestor explica que últimas interrupções no fornecimento energético devem-se a um "evento climático adverso" e que a empresa contornou os problemas. Para melhorar os serviços, já foram investidos R$ 160 milhões

Ana Maria Campos
postado em 03/12/2021 00:01
 (crédito: Divulgação/Neoenergia)
(crédito: Divulgação/Neoenergia)

Há um ano, que completa exatamente neste sábado, a CEB Distribuição era vendida em leilão na sede da B3, em São Paulo, por R$ 2,515 bilhões. Além de engordar o caixa do GDF, a privatização da empresa, comprada pela Neonergia, era uma aposta na melhoria da qualidade dos serviços de energia.

Essa esperança, no entanto, ficou comprometida nos últimos dias, com as queixas de consumidores pela interrupção dos serviços por longos períodos. O presidente da Neonergia, Frederico Candian, explica que houve um "evento climático adverso", com ventos que ultrapassaram 60 km/h. Como consequência, houve derrubada de árvores e danos complexos da rede. A empresa, segundo ele, trabalhou para contornar os estragos. Convocou técnicos de outros estados e também contratou eletricistas.

Para melhorar os serviços, a Neonergia está investindo alto. Desde que assumiu, aplicou R$ 160 milhões na infraestrutura, manutenção, modernização e automação do sistema elétrico. Além disso, adotou planos de curto e longo prazo. Para atender recomendação do Ministério Público, também abrirá novos postos de atendimento presencial. A promessa é de dias melhores em 2022.

Nos últimos dias, houve muitas reclamações dos consumidores pela interrupção de fornecimento de energia em diversas regiões do Distrito Federal. O que ocorreu?

As fortes chuvas e ventos que ultrapassaram 60 km/h no último sábado e na segunda-feira derrubaram centenas de árvores, exigindo serviços de maior complexidade para reconstrução das redes afetadas em diversos pontos do Distrito Federal. Diante desse cenário, além de todo o time operacional da Neoenergia em Brasília, acionamos diversos profissionais de outros estados para reduzir os impactos provocados por esse evento climático adverso.

Além da suspensão dos serviços, moradores reclamaram da demora na retomada do atendimento. Houve falha da empresa?

O desabamento de árvores em diversas localidades do Distrito Federal, destruindo redes de distribuição, tornou ainda mais complexa a operação de restabelecimento da energia. Reconhecemos que os estragos dessas ocorrências provocaram transtornos e comprometeram o tempo de restabelecimento da energia para alguns clientes. Para minimizar as dificuldades, mobilizamos profissionais da Neoenergia e outros eletricistas adicionais para atuarem no DF. Atualmente, contamos com uma força de trabalho operacional superior a 630 profissionais.

Dados da Aneel indicam que houve aumento de reclamações desde a privatização da CEB. Por que isso ocorreu?

Neste ano, o Distrito Federal está enfrentando um período chuvoso mais rigoroso, com aumento de 400% na incidência de descargas atmosféricas e 36% a mais no volume de ventos, se comparado a 2020. As intempéries interferem diretamente no sistema elétrico, comprometendo a continuidade e a qualidade do fornecimento de energia. Para reduzir o impacto na rede elétrica, estamos aplicando investimentos recordes no DF. Desde março, quando assumimos a operação da empresa, investimos mais de R$ 160 milhões em infraestrutura, manutenção, modernização e automação do sistema elétrico.

Quais são os planos da empresa para melhorar a distribuição de energia para a população?

A Neoenergia Brasília possui um plano de investimento robusto para o DF, focado na melhoria da prestação de serviço e atendimento. Adicionalmente, temos um plano de atuação imediata para as próximas semanas, no qual nos comprometemos com ações de resultados de curtos prazos, dentre elas a mobilização adicional de 321 profissionais para acelerar o atendimento da falta de energia, a manutenção preventiva na rede e a realização de poda de árvores e aumento de 30% na quantidade de atendentes no call center.

O Ministério Público do Distrito Federal e Territórios recomendou a ampliação de postos de atendimento presencial. É possível?

Serão abertos seis novas lojas de atendimento presencial que se somarão às 10 já existentes. A partir da próxima segunda-feira, a população já terá acesso aos serviços nas regiões administrativas do Paranoá, de Planaltina e de São Sebastião. Outras três serão abertas no decorrer deste mês de dezembro. Além disso, os clientes continuam contando com os canais digitais de relacionamento da empresa.

A privatização vai melhorar os serviços?

Confiamos que essas ações e os investimentos estruturantes planejados resultarão na melhoria da qualidade de energia e atendimento ao cliente desde já e ao longo de 2022.

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE