TENTATIVA DE ASSALTO

Ministro é mantido refém

O crime aconteceu na tarde de sábado. Dois homens armados invadiram a casa no Lago Sul, anunciaram o assalto e renderam Benjamin Zymler. Segundo ele, o crime não se consumou porque a cadela da família latiu

Ana Maria Pol
postado em 06/12/2021 00:00 / atualizado em 06/12/2021 00:00
 (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Benjamin Zymler foi feito refém durante uma tentativa de assalto em casa, no Lago Sul. Os momentos de horror foram vividos por toda a família, incluindo a esposa, Maria Lenir Ávila Zymler, e a filha, na tarde do último sábado. Dois homens invadiram a residência, anunciaram o assalto e o renderam, apontando uma arma para a cabeça de Zymler. "Foi aterrorizante, mas ainda bem que estão todos bem", disse o ministro.

A abordagem ao magistrado aconteceu por volta das 15h30, enquanto trabalhava no escritório de sua casa. "Eles entraram pelos fundos. Na hora, estava trabalhando no escritório quando me renderam e perguntaram quem mais estava em casa. Foram até a minha filha, minha esposa, e deixaram todos juntos", contou Zymler, ao Correio.

Durante todo o tempo em que a dupla de assaltantes ficou na casa, o ministro teve a arma apontada para a sua cabeça. "Demorou cerca de 15 minutos", recorda. O crime só não se consumou porque a cadela da família começou a latir. A fêmea, da raça spitz alemão, acompanhou todo o percurso da dupla de criminosos dentro da residência. "A nossa cachorra começou a latir e atraiu a atenção da vigilância da rua. Quando eles viram o vigilante, fugiram", conta.

Segundo o ministro, apesar de pequena, ela tem o costume de latir muito. "Foi isso que chamou a atenção", ressalta. A Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi acionada. Ao chegar ao local, policiais militares patrulharam a área em busca dos criminosos, mas, até o momento, ninguém foi localizado.

A ocorrência é investigada pela 10ª Delegacia de Polícia (Lago Sul). Na unidade policial, ninguém quis falar sobre o fato. "Não comentamos caso em investigação", afirmou um dos agentes com quem nossa equipe falou. A Divisão de Comunicação da Polícia Civil informou apenas que o caso está registrado como tentativa de roubo com restrição de liberdade.

As vítimas registraram o boletim de ocorrência neste domingo e a polícia vai instaurar inquérito para identificar os autores. "Nós confiamos na polícia do DF e no trabalho que realizam", ressaltou o ministro.

No TCU há quase 30 anos

Carioca, nascido em 1956, Benjamin Zymler é servidor concursado do TCU desde 1992. Ele ingressou no órgão no cargo de analista de finanças e controle externo. Zymler assumiu, em 1998, o cargo de ministro-substituto, no qual permaneceu até 2001, quando se tornou ministro da Corte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE