Violência contra a mulher

Assassino de Drielle detalha feminicídio à polícia; vítima poderia estar grávida 

Criminoso Juvenilton Aquino da Costa falou com detalhes sobre o feminicídio que cometeu contra a Drielle Ribeiro da Silva, durante depoimento prestado nesta quarta-feira (8/12)

Darcianne Diogo
postado em 08/12/2021 17:30 / atualizado em 08/12/2021 17:43
Juvenilton foi preso na noite dessa terça-feira (7/12) -  (crédito: Darcianne Diogo/CB/D.A Press)
Juvenilton foi preso na noite dessa terça-feira (7/12) - (crédito: Darcianne Diogo/CB/D.A Press)

Acusado de matar a companheira com 59 facadas, Juvenilton Aquino da Costa, 36 anos, deu detalhes de como cometeu o feminicídio da dona de casa Drielle Ribeiro da Silva, 34, em depoimento prestado na tarde desta quarta-feira (8/12), na 26ª Delegacia de Polícia (Samambaia Norte). A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) investiga se a vítima estava grávida de quatro semanas e aguarda resultado da autópsia para confirmação.

Drielle teve o corpo encontrado em um gramado, na QR 206 de Samambaia, próximo à linha do metrô, na manhã de segunda-feira (6/12). Durante o interrogatório, Juvenilton contou que dormiu na casa da companheira por três noites e, no dia do crime, os dois fizeram uma feijoada lá, com amigos. "Ele relata que a mulher teria ficado com ciúmes com algumas meninas que estavam na residência e, logo ali, teria começado a primeira discussão", disse o delegado Rodrigo Carbone, adjunto da 26ª DP.

O casal, então, iniciou uma segunda briga dentro de casa e decidiu ir com os convidados até uma distribuidora de bebidas na região. Imagens do circuito interno de segurança do estabelecimento registraram a chegada dos dois. De acordo com o delegado, na filmagem é possível ver que Juvenilton e Drielle estavam com os ânimos alterados. Durante o depoimento, ele contou que Drielle chegou a ameaçá-lo, dizendo que, caso se aproximasse de uma menina, iria "picotar" os dois. Após outra discussão, o acusado saiu da distribuidora e foi para a casa, como registraram as imagens.

"Ele alega que, ao sair, a vítima foi atrás e insistiu para que ele dormisse na casa dela. No trajeto, os dois desviaram o caminho e foram até um local descampado, perto do metrô, onde aconteceu o crime", detalhou o delegado. O agressor relatou que Drielle teria dito que acionaria a polícia e iria incriminá-lo por violência doméstica. Na versão do homem, a companheira pegou uma faca da cintura e tentou desferir golpes contra ele. No entanto, Juvenilton esfaqueou Drielle 59 vezes.

Após cometer o feminicídio, Juvenilton foi até a casa do irmão, pegou roupas e pediu para que ele o levasse de moto até uma BR. A Justiça do DF deferiu mandado de prisão preventiva contra o autor e, na noite desta terça-feira (7/12), depois de uma intensa negociação, policiais conseguiram prendê-lo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE