CB.Saúde

"É muito importante continuar utilizando as máscaras", afirma pesquisadora

Coordenadora da sala de situação da UnB falou sobre o fim da obrigatoriedade das máscaras em entrevista do CB. Saúde. Ela também falou sobre flexibilização das medidas preventivas e passaporte vacinal

Yasmim Valois*
postado em 11/03/2022 17:18
Marcela Lopes Santos, coordenadora Técnica da Sala de Situação da UnB, foi a entrevistada do C.B. Saúde -  (crédito:  Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)
Marcela Lopes Santos, coordenadora Técnica da Sala de Situação da UnB, foi a entrevistada do C.B. Saúde - (crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O CB.Saúde desta sexta-feira (11/3) recebeu Marcela Lopes Santos, coordenadora Técnica da Sala de Situação da UnB, reforçou a importância da utilização das máscaras mesmo com o fim da obrigatoriedade. Em entrevista ao programa CB.Saúde, do Correio Braziliense, em parceria com a TV Brasília, a coordenadora explicou sobre temas como a importância das medidas de prevenção mesmo com o fim da obrigatoriedade das máscaras, e sobre o possível aumento de casos após essa flexibilização.

Em entrevista à jornalista Carmen Souza, Marcela Lopes falou sobre seu posicionamento quanto às medidas recentes tomadas quanto a obrigatoriedade do uso de máscara. “Essa questão é muito polêmica, mas já que temos que enfrentá-la, vamos tentar enfrentar da melhor forma possível, se for possível, continuar usando máscara, principalmente em locais mais fechados, transporte público, locais onde a ventilação é reduzida. Precisamos tentar manter esse costume e transformá-lo em rotina no nosso dia-a-dia nos próximos dias”, explica.

“Na minha avaliação a situação em que estamos não é uma situação tranquila, nós ainda não temos uma seguridade da situação que pode estar acontecendo. Então todas as atitudes de proteção individual e coletiva ainda são válidas para que a gente tente diminuir o máximo possível do número de casos, assim como o número da gravidade dos casos”, acrescenta.

Além disso, a coordenadora Técnica da Sala de Situação da UnB ressaltou sobre as consequências que essa flexibilização pode trazer. “A disseminação do vírus vai estar ocorrendo com mais facilidade devido a essa flexibilização, apesar de termos grande parte da população vacinada. Essa dispersão do vírus ocasiona também a possibilidade de ter novas variantes que não sabemos a gravidade. Cada replicação do vírus pode originar novas variantes”, ressalta.

Em relação ao passaporte vacinal Marcela Lopes frisou que na Universidade de Brasília (UnB) a regulamentação segue com o objetivo de resguardar o público. “O ideal é todo mundo vacinado e todo mundo de máscara até que a gente tenha uma situação realmente confortável, mas com a flexibilização toda tem uma discussão com relação ao passaporte vacinal. Eu acho que podemos começar a flexibilizar, mas isso ainda não é visto na realidade brasileira, então eu ainda priorizo pelo uso das máscaras e por toda essa estrutura de proteção individual. A UnB ainda tem essa regulamentação e é uma forma de tentar resguardar o público”, esclarece.

 

Assista a entrevista na íntegra abaixo:

 *Estagiária sob a supervisão de Nahima Maciel

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE