Revolta

"O mais doído foi a covardia", diz síndico

Em vídeo gravado com exclusividade para o Correio, Wahby Khalil afirma, do hospital onde se recupera das agressões, que poderia ter morrido e pede justiça

Arthur de Souza Aline Brito
postado em 20/03/2022 00:00 / atualizado em 20/03/2022 00:00
 (crédito: Wahby Khalil)
(crédito: Wahby Khalil)

Wahby Khalil, 42 anos, síndico de um prédio localizado em Águas Claras que foi espancado por um morador, enviou um depoimento em vídeo ao Correio falando sobre os momentos de tensão vividos nesta semana. "Eu tenho falado que a maior dor que estou sentindo não é nem a dor física, a dor de saber que estou machucado pela queda, pelo murro, mas é a dor de saber que alguém que estava muito próximo a mim poderia ter me matado em um segundo", disse Khalil.

O síndico afirma que já assistiu às imagens da agressão, flagrada por câmeras de segurança do local. "O mais doído foi ver, nas imagens, a covardia. Ver que eu já estava caído no chão, precisando de ajuda, e, mesmo assim, a pessoa continuou ali desdenhando, falando, em vez de me ajudar. Aqueles segundos poderiam ser cruciais na minha vida. Isso é o mais doído e o mais cruel", lamenta.

De olhos fechados, com fala lenta e hematomas nos lábios e perto da boca, Khalil aproveitou para fazer um apelo. "Não vamos deixar esse tipo de gente covarde, que é capaz de derrubar o outro na covardia, e ainda ficar desdenhando sem ajudar o outro, impune. Esse pra mim é o maior tipo de covardia que pode existir, de você ver o outro agonizando no chão, não ajudar e não permitir que outros ajudem. Essa está sendo a minha maior dor", assume Khalil.

Nos vídeos, Khalil também aproveita para agradecer a equipe do Correio e os leitores pela divulgação do caso. "Sem vocês, realmente eu não teria conseguido passar por essa dificuldade, sem denunciar esse tipo de crueldade que aconteceu", disse.

Estado de saúde

O jornalista segue na UTI e, ontem, passou por um tratamento odontológico para extrair os dentes que ficaram moles após a agressão. "Ele saiu da cirurgia, está bem, se alimentou com alimentos líquidos", informou Edson Alexandre, advogado do síndico. Em nota, o Hospital Santa Lúcia, onde Wahby está internado, afirmou que ele "continua com quadro neurológico estável e sem agravamentos, e vem sendo acompanhado pela neurocirurgia e segue tratamento conservador".

O síndico foi agredido a socos ao chamar a atenção de um educador físico pelo incômodo causado por um saco de pancadas instalado em uma academia de um condomínio de Águas Claras. Em vídeo gravado pelo circuito de segurança do condomínio, é possível ver o momento em que o personal Henrique Paulo Sampaio Campo agride Khalil. A 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) investiga o caso.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE