Economia /

Rota da diversidade e do respeito

São 33 locais no DF inseridos no perfil de interação com o público LGBTQIA . A iniciativa de inclusão, que teve apoio da Secretaria de Turismo, gera empregos e renda. Maior desafio é contra o preconceito

Edis Henrique Peres
postado em 28/03/2022 00:01
 (crédito: Edis Henrique Peres)
(crédito: Edis Henrique Peres)

Projetada de asas abertas por Oscar Niemeyer, a capital do país abre os braços também para acolher o público LGBTQIA em uma Rota da Diversidade. Ela conta com 33 pontos entre restaurantes, bares, lojas e atrativos turísticos. Para a comunidade que luta para ocupar seu espaço, a iniciativa garante respeito e representatividade. Uma das mais antigas drags queen atuantes no Distrito Federal, Allice Bombom garante que o roteiro é "maravilhoso" para os LGBTQIA .

"A iniciativa muda o cenário que vivemos, porque fortalece a nossa história aqui em Brasília. E, quando se agrega gestores e empreendedores de vários segmentos que acreditam na nossa força, na nossa existência, ficamos muito felizes. Essa Rota vai dar visibilidade aos projetos que ainda não possuem destaque e fortalecer outros que já existem", destaca a artista. A drag conta que a personagem Allice Bombom nasceu no DF. "Quem decidiu o nome Bombom foi até mesmo o público, porque eu vendia chocolate em diversos pontos, aí eu somente escolhi o Allice. E isso é tão importante, porque muitas vezes se falam de outras drags, de outros países, mas se esquecem da gente, que vivemos aqui, que resistimos aqui, e que precisamos desse olhar para as nossas lutas", salienta.

Além dos benefícios de acolhimento, a Rota da Diversidade tem papel econômico. A secretária de Turismo, Vanessa Mendonça, afirma "a importância de atender esse público que muitas vezes não tem um espaço que o receba". "A comunidade LGBTQIA viaja o mundo inteiro e procura destinos que a acolha com qualidade e carinho, por isso procuramos os locais que pudessem oferecer essa experiência. Com muita alegria, em agosto do ano passado, conseguimos despertar o interesse de 33 empresários de 10 regiões administrativas para participar da primeira Feira de Economia Criativa e da elaboração do Guia da Diversidade", detalha.

Os pontos escolhidos no roteiro passaram pela curadoria da pasta. "Estamos oferecendo uma experiência para o turista absolutamente diferenciada. E além da inclusão, existe o retorno da geração de emprego e renda. É uma forma de fomentar o empresário que investiu para oferecer melhor experiência ao público LGBTQIA . É uma requalificação dos nossos serviços", avalia.

Acolhimento

Na Rota da Diversidade, a Cidade de Refúgio, uma igreja que acolhe a comunidade LGBTQIA , é um dos destaques. Diaconisa Bilia, 43 anos, bancária e moradora do Vicente Pires, atua há 8 anos na filial de Brasília. "A igreja foi um divisor de águas na minha vida, porque eu fui criada em um lar evangélico e não era incluída e aceita. Mas, na Cidade de Refúgio, somos aceitos do jeito que a gente é, e entendemos que tem como seguirmos os preceitos bíblicos. Inclusive, seguimos regras como em qualquer outra igreja", conta. Diaconisa afirma que a maioria dos participantes chegam a Cidade de Refúgio depois do abandono da família. "Muitos estão machucados emocionalmente depois de terem sido expulsos pela família e pela igreja em que tentaram participar", relata.

Justamente devido aos desafios do preconceito que a titular da pasta de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, pontua que a diversidade precisa ser sempre debatida. "As nossas ações são voltadas para isso, para mostrar que Brasília é um lugar de todos. A gente trabalha para a garantia de direitos das pessoas e que elas possam exercer em plenitude a sua cidadania", defende. Passamani também destaca que, desde 2019, o GDF atua com um protocolo de atendimento às ocorrências da comunidade LGBTQIA .

"Percebemos que era necessário essa orientação de como os profissionais deveriam agir ao atender as demandas dessa comunidade. Por isso, produzimos esse protocolo e orientamos os vigilantes, para que eles soubessem como abordar esse público e tivessem uma preparação de como acolher essas pessoas", finaliza.

  • Lançamento da rota da diversidade tem o foco de acolher a comunidade LGBTQIA+, com o incentivo aos empresários para gerar emprego e renda
    Lançamento da rota da diversidade tem o foco de acolher a comunidade LGBTQIA+, com o incentivo aos empresários para gerar emprego e renda Foto: Edis Henrique Peres
  • Lançamento da rota da diversidade tem o foco de acolher a comunidade LGBTQIA+, com o incentivo aos empresários para gerar emprego e renda
    Lançamento da rota da diversidade tem o foco de acolher a comunidade LGBTQIA+, com o incentivo aos empresários para gerar emprego e renda Foto: Edis Henrique Peres
  • Lançamento do roteiro teve presença de integrantes do GDF
    Lançamento do roteiro teve presença de integrantes do GDF Foto: Edis Henrique Peres
  • Membros da igreja Cidade de Refúgio: Deus para todos
    Membros da igreja Cidade de Refúgio: Deus para todos Foto: Edis Henrique Peres
  • Membros da igreja Cidade de Refúgio, um local que acolhe pessoas da comunidade LGBTQIA+ e falam sobre Deus. De amarelo, Diaconisa Katia Bilia, 43 anos, de vermelho Edvandro Cerezoli, 25 anos, e de preto Gean Vitor Candido, 26 anos
    Membros da igreja Cidade de Refúgio, um local que acolhe pessoas da comunidade LGBTQIA+ e falam sobre Deus. De amarelo, Diaconisa Katia Bilia, 43 anos, de vermelho Edvandro Cerezoli, 25 anos, e de preto Gean Vitor Candido, 26 anos Foto: Edis Henrique Peres
  •  Drag Queen Allice Bombom, uma das mais antigas Drags ainda atuantes no DF, conta da importância de se falar e dar visibilidade as artistas do segmento que resistem e vivem na capital. Ela destaca que a Rota da Diversidade vai dar uma oportunidade de serem mais acolhidas.
    Drag Queen Allice Bombom, uma das mais antigas Drags ainda atuantes no DF, conta da importância de se falar e dar visibilidade as artistas do segmento que resistem e vivem na capital. Ela destaca que a Rota da Diversidade vai dar uma oportunidade de serem mais acolhidas. Foto: Edis Henrique Peres
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE