Celebração de Hugo Rodas

Correio Braziliense
postado em 15/04/2022 00:01

Não pude ir ao velório do Hugo porque estou no plantão da Semana Santa. Mas, mesmo de longe, a energia do ritual dionisíaco de despedida do nosso bruxo emérito do teatro reverberou na redação. A estagiária pautada para cobrir o evento voltou do Teatro Galpão em transe. Nunca havia visto nenhum velório igual, com música, dança, êxtase e afeto. Hugo só acreditava nos deuses que soubessem dançar.

Eu havia marcado uma entrevista com o professor José Carlos Coutinho para um caderno especial sobre o aniversário de Brasília e não consegui contato. Logo imaginei que ele estaria lá, esse era um momento imperdível. O Teatro Galpão estava cheio de brasilienses de todas as idades e havia mais gente lá fora. Rolou a mesma energia irresistível que se irradiava dos espetáculos de Hugo Rodas.

Você poderia gostar ou odiar, ficar indiferente, jamais. Hugo Rodas era a utopia de Brasília da cabeça aos sapatos. Mas, sem sessão nostalgia, era um pioneiro sempre ligado no presente e no futuro.

Em 2019, pouco antes da pandemia, Hugo fez 80 anos e nos brindou com dois presentes: as montagens de O rinoceronte, e a remontagem de Os saltimbancos. O primeiro manifesta a santa indignação contra a estupidez reinante; e o segundo celebra a alegria essencial da solidariedade. Hugo transformou a ambos em peças de dramática atualidade.

Sempre imaginei o fim do pesadelo político e da pandemia celebrado com a encenação de Os saltimbancos no Teatro Galpão. Quando assisti a peça, desejei que toda Brasília estivesse ali para ver. Fica a sugestão para o Bartô, era preciso que essa peça circulasse por todas as escolas do DF.

Zuenir Ventura escreveu que o câncer é uma doença humilhante, mas, com o desejo insaciável de viver, Darcy foi a única pessoa que humilhou o câncer porque desrespeitou todos os protocolos, comeu uma feijoada e se dedicou a escrever um dos grandes legados, o livro O povo brasileiro. Pois bem, tenho a impressão de que o velório, dirigido, de maneira invisível, por Hugo Rodas também humilhou o câncer.

Foi uma demonstração de uma fé na arte capaz de abalar montanhas de ceticismo. Sim, quem parte é amor de alguém, como disse Hugo em espetáculo na Esplanada dos Ministérios para responder à indiferença dos governantes ante às mortes da pandemia. Hugo teve uma vida bela, plena de invenção, de realização e de afeto. Sempre trabalhou com gente jovem e deixa muitos que beberam em sua fonte para dar sequência a seu legado.

Quem esteve no Teatro Galpão e, mesmo quem não esteve, recebeu um jato de dramaticidade, eletricidade, de afeto e de alegria. O ritual dionisíaco do velório de Hugo Rodas nos libertou da dor da perda e liberou o nosso bruxo emérito para alçar outros voos, embora ninguém soubesse, ao certo, se estava alegre ou triste. Realmente, foi um privilégio nosso ter um artista da grandeza de Hugo Rodas.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE