Quem ama, cuida

Severino Francisco
postado em 21/04/2022 00:01

Sempre fico comovido a cada aniversário de Brasília porque a construção e a constituição dessa cidade só foi possível pela luta, o suor, a tenacidade e o idealismo. Mesmo considerando que a cidade-utópica viva o período mais distópico da sua história, temos conquistas importantes a celebrar. Brasília foi a primeira cidade moderna a ser tombada como patrimônio cultural da humanidade em 1987.

Aos trancos e barrancos, Brasília cumpriu as missões históricas para as quais foi criada: estabelecer as conexões entre os múltiplos brasis, interiorizar o desenvolvimento e promover o rebrasileiramento do Brasil. Aqui misturarmos sabores, cores, falares, músicas, corpos e almas. Brasília é a mais brasileira das cidades brasileiras.

Nos anos 1970, Clarice Lispector visitou a cidade e registrou a presença de árvores mirradas que pareciam de plástico. Eu gostaria que ela voltasse a Brasília na passagem dos 62 anos. As árvores floresceram e o que era um risco de Lucio Costa se transformou em uma cidade-parque plena, que ameniza a aridez de algumas estações, promove o equilíbrio ambiental e atrai uma legião de pássaros. Em Brasília, é possível orientar-se por um calendário floral; é possível administrar o tempo pela floração das árvores.

A utopia brasiliana é cultural. A beleza de Brasília não é uma qualquer para decorar, enfeitar ou compor um cenário para o poder. É a de uma cidade-monumento, cidade-símbolo, cidade-totem da brasilidade. Não podemos permitir que a anti-Brasília prevaleça sobre Brasília e que o anti-Brasil prepondere sobre o Brasil.

É preciso zelar pelas conquistas e projetar um futuro para as próximas gerações. Não, será obra solitária de nenhum herói clamando no deserto. É uma tarefa para todos os que amam essa cidade: governantes, Câmara Legislativa, Ministério Público, Judiciário, Institutos dos Arquitetos do Brasil — Seção DF, Iphan, Universidade de Brasília e os cidadãos em geral. Ninguém pode se omitir, pois, como diz o padre Antonio Vieira, a omissão é o pecado que se faz não se fazendo.

Não se trata de uma questão de direita ou de esquerda. Governantes de diferentes matizes ideológicos cometeram erros crassos em relação à escala bucólica da cidade. Ela é sagrada, é um patrimônio de todos e não pode ser ferida, sob o risco de comprometer a qualidade de vida dos brasilienses: "Ao contrário das cidades que se conformam e se ajustam à paisagem, no cerrado deserto de encontro a um céu imenso, como em pleno mar, a cidade criava a paisagem", escreveu Lucio Costa.

A escolha de Lucio Costa é de extrema delicadeza. Isso fica também evidente, por exemplo, na 402 Norte, com os edifícios do Banco do Brasil, que turvam a visibilidade celeste como se a gente estivesse em uma cidade convencional. Eles quase que apagaram o céu. O vazio brasiliense não é um valor negativo; não se presta a ser inundado por edifícios ou viadutos.

Foi concebido como um valor lírico que permite aos cidadãos a contemplação do espaço durante as 24 horas do dia. Atulhar a cidade com prédios e viadutos significa destruir Brasília no que ela tem de mais singular e precioso.

O caso do anel rodoviário no Sudoeste desperta inquietação. Recentemente, próximo ao Estádio Mané Garrincha e aos tribunais derrubaram árvores e fizeram cercas. Que cidade legaremos a nossos filhos e a nossos netos? Uma cidade-parque ou uma cidade-viaduto? Quem ama, cuida.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE