Quem vai com quem? Os palanques dos presidenciáveis no DF

Correio Braziliense
postado em 24/04/2022 00:01

O presidente Jair Bolsonaro terá um palanque forte no DF. O governador Ibaneis Rocha apoiará a reeleição se o MDB não lançar a senadora Simone Tebet (MS) à Presidência da República. Mesmo se isso ocorrer, a base de Ibaneis, formada por partidos como o PL, PP e Republicanos, estará ao lado de Bolsonaro. O PL tem pré-candidata ao Senado, Flávia Arruda, e o Republicanos também pode lançar a ex-ministra Damares Alves.

Lula

A federação PT-PV-PCdoB terá candidato ao governo e ao Senado. Falta apenas definir quem será o nome. Estão no páreo os petistas Rosilene Corrêa e Geraldo Magela, além do deputado distrital Leandro Grass (PV). O ex-secretário de Educação Rafael Parente, que é pré-candidato ao Buriti, também poderá fazer campanha para Lula, uma vez que o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, agora no PSB, será o vice na chapa. O PSol e a Rede Sustentabilidade, unidos numa federação, terão a candidatura de Keka Bagno (PSol) e estarão na defesa de Lula contra Bolsonaro.

Ciro Gomes

O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, participou, na semana passada, do lançamento da pré-candidatura da senadora Leila Barros (PDT-DF) ao Governo do DF. Para Ciro, é importante montar palanques regionais, principalmente porque ele ainda não conseguiu ampliar seu poderio com partidos aliados. Ciro trabalha para ser o candidato da terceira via, mas ainda está longe de viabilizar esse projeto. Sem nem mesmo ter um vice, Leila pode até ser uma opção para a chapa nacional.

João Doria

O ex-governador de São Paulo tem um aliado no DF. Doria conta com o apoio do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) desde a campanha para as prévias do partido, quando derrotou o então governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite.

Simone Tebet

O governador Ibaneis Rocha já anunciou que, entre Bolsonaro e Lula, fica com o atual presidente no segundo turno, se houver. Mas o melhor cenário para ele seria a neutralidade na polarização nacional, saindo como cabo eleitoral de uma candidatura própria do MDB. Seu grupo faria campanha para Bolsonaro e Ibaneis adotaria uma posição de distância na briga entre lulistas e bolsonaristas.

Acertando a relação

O deputado Leandro Grass (Rede) e a diretora do Sinpro Rosilene Corrêa foram vistos numa DR na semana passada. Eles querem a mesma coisa: o apoio da federação PT-PV-PCdoB, e da campanha de Lula. Pode sair daí uma dobradinha, com candidato ou candidata ao governo e vice.

Na dependência

A deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF) tem acompanhado vários compromissos da agenda do senador José Antônio Reguffe (União Brasil-DF). Ela sempre divulga os encontros nas redes sociais. Mas o casamento político ainda depende de deliberação da federação Cidadania-PSDB.

Staff

O senador Izalci Lucas já montou o staff de pré-campanha com a ida do ex-secretário de Comunicação dos governos Roriz e Rollemberg, Paulo Fona, para trabalhar ao lado do marqueteiro Renato Faleiros, que fez a campanha vitoriosa para o Senado em 2018. Integram o grupo o ex-prefeito de Salinas por três vezes José Prates e o ex-advogado eleitoral de Roriz Eladio Carneiro. Além da equipe, Izalci conta com seu filho Renato, que o acompanha desde a primeira campanha a distrital.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE