Palácio do Buriti

Defensoria Pública mais atuante no DF

Com 18 anos de experiência, Celestino Chupel vai comandar a Defensoria Pública do DF no lugar de Maria José Silva Souza de Nápoli, que trabalhou no biênio 2020/2022. Ele promete "reforçar os direitos humanos, atender as pessoas que mais necessitam"

Pedro Marra
postado em 04/05/2022 00:01
 (crédito: Pedro Marra/CB/D.A. Press)
(crédito: Pedro Marra/CB/D.A. Press)

Ouvir as demandas da população mais carente e mediar o diálogo entre os poderes. Essas foram as promessas do novo defensor público-geral do Distrito Federal, Celestino Chupel, nomeado pelo governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), ontem, no Salão Branco do Palácio do Buriti, para o biênio 2022-2024. Ao Correio, o novo ocupante do cargo destacou que vai trabalhar com a população que mais necessita de atenção. "Vamos fazer com que ela (Defensoria Pública) chegue aos locais mais distantes, reforçar os direitos humanos, atender as pessoas que mais necessitam, como os movimentos sociais que estão aqui presentes", comentou Celestino.

Para Ibaneis, outro assunto que vai demandar o órgão é a mediação dos conflitos entre Legislativo, Executivo e Judiciário, meta que ele espera ver na nova gestão de Celestino. "Esse diálogo entre os poderes é de suma importância para nós todos, mas que seja permanente para que a Defensoria se mantenha para ajudar milhares de famílias desamparadas", declarou o governador do DF.

O deputado distrital Fábio Félix (PSol) destacou a importância da Defensoria Pública do DF. "A Defensoria é fundamental para a garantia dos direitos humanos", opinou. Sobre o trabalho da nova gestão, o parlamentar aguarda independência do governo local. "Espero que seja uma ponte para a população que mais precisa."

A coordenadora do Movimento Nacional da População de Rua do Núcleo do DF, Iara Dos Anjos Santana, 36 anos, enfatizou que a Defensoria Pública é o único órgão que o grupo confia para resolver demandas. "Se a gente não tiver pessoas dedicadas em prol da causa da população de rua, não faz sentido, porque a Defensoria Pública, que é a nossa casa, é o único lugar que a população de rua ainda confia para desabafar e contar sobre a violação de direitos que é constante", disse.

Com 18 anos de experiência como defensor público, Celestino Chupel vai comandar a Defensoria Pública do DF no lugar de Maria José Silva Souza de Nápoli, que trabalhou no biênio 2020-2022.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE