Saúde /

Quarta dose a partir de 60 anos

A partir de hoje, pontos de vacinação contra a covid-19 espalhados no Distrito Federal começam a aplicar o segundo reforço, agora para maiores de 60 anos. Avanço da dengue também preocupa a Secretaria de Saúde

Pablo Giovanni*
postado em 06/05/2022 00:01
 (crédito:  Minervino Júnior/CB/DA Press)
(crédito: Minervino Júnior/CB/DA Press)

A vacina contra a covid-19 se tornou o forte aliado do brasiliense no combate a doença, que provocou até agora 11,6 mil mortes na capital federal. A Secretaria de Saúde Federal (SES-DF), em coletiva de imprensa na tarde de ontem, anunciou a quarta dose para maiores de 60 anos, que começa a partir de hoje em pontos de vacinação espalhados pela capital.

Subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero salientou que a liberação da quarta dose é de extrema importância para que tenha uma maior porcentagem da população imunizada e, consequentemente, protegida do vírus da covid-19. "Todos os idosos acima de 60 anos estão aptos e convidados a ir tomar a quarta dose", disse. "Também reduzimos a segunda dose da Pfizer, que deixará de ser de 8 semanas (56 dias) para 21 dias, conforme orientação do Ministério da Saúde", acrescentou Valero.

Antes liberada apenas para maiores de 70 anos, a secretaria detalhou que menos da metade do público apto a receber a quarta dose procurou algum ponto de vacinação para fazer uso da dose — estimado em 130 mil pessoas, apenas 48,71% se vacinaram. Os locais de vacinação são divulgados diariamente e podem ser conferidos no site da Secretaria de Saúde do DF (saude.df.gov.br).

Dengue

A secretaria alertou que o pior momento da dengue no Distrito Federal está por vir nos próximos dias. De acordo com o secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Pedro Zancanaro, o aumento dos casos deve acontecer entre a primeira e a segunda quinzena de maio, quando o DF atinge a vigésima semana epidemiológica. "Ainda não chegamos no pico dos casos de dengue, e a gente tem a expectativa de chegar nos próximos dias, mas estamos preparados", esclareceu o adjunto.

Para o secretário de Saúde, Manoel Pafiadache, o aumento dos casos é uma preocupação, e aproveitou para trazer um dado, que aponta que a maioria dos focos da dengue é notificada em residências.

*Estagiário sob a supervisão de José Carlos Vieira

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE