FOGO /

Incêndio no SCS deixa um ferido

Chamas começaram no subsolo de um centro de formação de vigilantes, no Setor Comercial Sul, onde funciona um estande de tiro. Uma pessoa fraturou a perna ao tentar fugir pelas escadas; outras três receberam atendimento no local

Ana Luisa Araujo
postado em 07/05/2022 00:01
 (crédito: ED ALVES/CB/D.A.Press)
(crédito: ED ALVES/CB/D.A.Press)

Um incêndio em um centro de formação de vigilantes conhecido como Academia Atlas, no Setor Comercial Sul, provocou ferimentos em uma pessoa, ontem. O fogo começou a partir de uma faísca que encostou na espuma que recobria a parede do subsolo, onde funcionava um estande de tiro. Entre 30 e 35 alunos estavam no local, segundo o Corpo de Bombeiros. Três dos frequentadores inalaram fumaça e precisaram de atendimento. Um quarto tentou escapar das chamas pelas escadas e, ao descer da sobreloja para o térreo, sofreu uma fratura na perna e foi levado para o Hospital de Base. 

O incidente aconteceu no Edifício Embaixador. Capitão do Corpo de Bombeiros, Reginaldo Machado detalhou a ação ao Correio: "Fomos chamados para atender a uma ocorrência no centro de formação que fica na Quadra 4 do Setor Comercial Sul. Quando as equipes chegaram, constataram a presença de muita fumaça e viram que havia um princípio de incêndio no subsolo (do estabelecimento)".

O fogo começou durante a execução de reparos no estande de tiros do subsolo, a partir de uma faísca provocada por um dos funcionários da academia. Auxiliar administrativa no centro de formação de vigilantes, Sara Lopes relatou que, ao perceber o problema, o colaborador se desesperou e gritou para que todos deixassem o prédio. "Há espumas e pneus para abafar os sons dos tiros no área onde ocorrem os treinamentos. Quando ele (o funcionário) subiu para pegar o extintor de incêndio, isso deixou todos em pânico", disse Sara.

Mais pessoas ficaram alarmadas ao sentirem o cheiro da fumaça, tanto no térreo quanto na sobreloja, e tentaram fugir. Consultor jurídico, Edvaldo Lima participava de um curso no edifício ao lado e, ao sentir o cheiro da fumaça, ficou preocupado. "Só vi quando uma pessoa desceu a escada e, depois, muita gente veio atrás", comentou.

Para evitar situações semelhantes, a recomendação de Leonardo Sant'Anna, especialista em segurança pública e privada, é que os donos dos estabelecimentos optem por espumas antichamas. Além disso, ele avaliou uma das possíveis causas do incidente: "No momento em que um disparo é executado, isso pode provocar uma ignição indesejada. Por isso, é de extrema importância que esses locais tenham equipamentos adequados, bem como um extintor de incêndio posicionado o mais próximo possível", orientou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE