"Um luxo necessário"

Matheus Mendes*
postado em 09/05/2022 00:01

O Parque Sarah Kubitschek ou Parque da Cidade é um dos maiores parques urbanos do mundo. Com 4,2km² ele supera em dimensão, por exemplo o Parque Ibirapuera, em São Paulo (com 1,5km²) e o Central Park, em Nova York (com 3,4 km²). Além da impressionante dimensão, tem uma alta capacidade de reunir e agregar pessoas de diferentes regiões de Brasília. Sejam esportistas que ocupam as quadras e as pistas de caminhada ou de rodas, sejam grupos de famílias e amigos que se reúnem nas churrasqueiras públicas ou mesmo debaixo da sombra de uma árvore. O Parque da Cidade é bonito e democrático. Um luxo necessário para o habitante do Distrito Federal.

O parque reúne importantes nomes da arquitetura Brasileira. Lucio Costa, urbanista que desenvolveu os primeiros traços do que viria a ser Brasília, previu esta porção de terra e sua destinação. O arquiteto paisagista Roberto Burle Marx, conhecido por suas relevantes obras no conjunto da Pampulha em Belo Horizonte e no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro, foi o responsável pelo projeto paisagístico do Parque. O arquiteto Oscar Niemeyer desenhou algumas das edificações, dentre elas o carismático relógio de sol, bem conhecido pelo público brasiliense. As simpáticas paradas foram desenhadas pelo arquiteto Glauco Campelo, sob as quais se assentam belos azulejos de Athos Bulcão.

São 11 paradas replicadas ao longo do Parque, todas iguais e constituídas por uma cobertura retangular de concreto aparente e por um volume prismático que contém os sanitários. É bonito ver como cada uma dessas paradas, apesar de iguais, se adequam ao contexto e ao entorno, visto que não possuem paredes senão aquelas do volume dos banheiros, que, por sua vez, é deslocado do centro e das margens da cobertura de concreto, criando os espaços auxiliares nos quais se instalam os bancos azuis. Estes bancos bem servem à população local como descanso, preparo para as práticas desportivas ou mesmo abrigo contra as fortes chuvas e sol do cerrado brasileiro. Um belo exemplar de generosidade urbana, tão necessárias à nossa cidade.

De forma geral podemos dizer que, além do Parque da Cidade promover todos os atributos funcionais necessários a um parque urbano, ele reúne importantes elementos de patrimônio histórico, artístico e cultural do Brasil. O Parque representa para o brasiliense qualidade de vida, saúde, lazer, cultura, contato com a natureza e convívio social. Merece nosso respeito e atenção contínua do governo e da sociedade. De modo a preservar suas melhores características e fazê-lo acompanhar as novas demandas e necessidades da população do DF.

*Mestre em arquitetura e planejamento pela Universidade de Brasília (UnB)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE