Covid-19

Brasil precisa avançar na regulamentação da telemedicina, diz especialista

O médico Jorge Pinheiro, presidente do grupo Hapvida, falou dos avanços na tecnologia de atendimento remoto durante a pandemia, em entrevista ao CB.Saúde

Jéssica Gotlib
postado em 27/08/2020 18:13 / atualizado em 09/11/2020 18:09
"Eu tenho certeza que a telemedicina nunca substituirá o atendimento presencial, mas complementará com qualidade e comodidade para o usuário e com muita segurança na prática médica", disse Pinheiro - (crédito: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

As medidas de distanciamento social e o medo da contaminação em ambientes hospitalares durante a pandemia no novo coronavírus obrigaram toda a sociedade a se organizar, incluindo médicos e pacientes. Desde o início da crise sanitária, o Ministério da Saúde flexibilizou a regulamentação para o atendimento remoto – a chamada telemedicina – e esses avanços devem seguir depois que a situação com a covid-19 melhorar. Pelo menos é o que acredita o médico e diretor-presidente do grupo Hapvida, Jorge Pinheiro.

“É uma esperança, não só minha, mas, tenho certeza, de toda a população brasileira. Antes da pandemia, já fazíamos mais de 10 mil consultas por mês. Agora, com essa experiência, se popularizou, não só a nossa plataforma, mas outras experiências brasileiras e mundiais estimulando o atendimento à distância. Eu tenho certeza que a telemedicina nunca substituirá o atendimento presencial, mas complementará com qualidade e comodidade para o usuário e com muita segurança na prática médica, se a legislação assim permitir”, afirmou em entrevista ao CB.Saúde — parceria entre o Correio Braziliense e a TV Brasília — nesta quinta-feira (27/8).

De acordo com Pinheiro, as respostas têm sido boas e, além de tranquilizar os pacientes, que minimizam os riscos de se expor ao vírus, diminuindo a quantidade de vezes em que saem de casa, o modelo também traz comodidade para todos e agiliza processos. “Fizemos pesquisas e os usuários têm se mostrado extremamente satisfeitos com a telemedicina, então, o Brasil precisa avançar com essa ferramenta”, avaliou.

A principal alteração, segundo o executivo, foi a liberação da exigência da presença de um segundo médico para validar a consulta virtual. “Anteriormente, só era permitido o atendimento à distância com dois médicos, um na frente do paciente, na presença dele, e o outro à distância. A flexibilização veio no sentido de fazer com que não haja necessidade do médico na frente do paciente para que aquela consulta possa ter prescrição médica, receita, solicitação de exames. Esse avanço permitiu que a gente possa atender pessoas no conforto das suas casas”, lembrou.

Ele contou ainda que o Hapvida desenvolveu um aplicativo próprio para o atendimento à distância dos pacientes: “Já no início da pandemia, nós produzimos internamente uma nova ferramenta de atendimento à distância e, só para os usuários com suspeita de covid, foram mais de 70 mil atendimentos". Para Pinheiro, o caso é um exemplo de sucesso.

Assista à entrevista completa em vídeo:

Ouça em formato podcast:

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação