COVID-19

Saiba quais esportes oferecem maior ou menor risco de contágio

Especialistas recomendam evitar práticas em grupo e reforçam a importância dos hábitos de higiene

Bruna Yamaguti*
postado em 01/09/2020 18:47 / atualizado em 03/09/2020 11:35
 (foto: Franck Fife/AFP)
(foto: Franck Fife/AFP)

Com a pandemia do novo coronavírus, mesmo aqueles que não passavam um dia sem fazer atividade física, precisaram adaptar suas rotinas. Muitos atletas, amadores e profissionais, ou simplesmente adeptos à prática por questões de saúde e bem-estar ainda têm dúvidas sobre o que é seguro ou não em meio ao cenário de isolamento social. Para responder a essa pergunta, o Correio conversou com especialistas e, com a média das avaliações deles, elaborou o quadro a seguir, que mostra, em uma escala de 1 a 5, o risco de contágio em cada uma das modalidades:

Covid-19: Tabela com atividades esportivas classificadas por risco de contágio
Covid-19: Tabela com atividades esportivas classificadas por risco de contágio (foto: CB/D.A Press)

Os médicos alertam para um maior risco em modalidades que envolvem grupos, devendo ser evitado qualquer tipo de contato. Além disso, deve-se prestar atenção ao local em que a atividade será realizada. Lugares cheios apresentam alto risco, e o uso de máscara é imprescindível, seja qual for a situação.

“Sugiro atividades físicas que possam ser realizadas sozinho, evitando contato direto ou indireto com outros. Além disso, os bons hábitos de higiene devem ser levados muito a sério, incluindo lavagem das mãos antes e depois do início das atividades físicas, uso de outras soluções antissépticas, máscara de pano ou cirúrgica sempre que possível, e evitar aglomerações”, recomenda o professor de epidemiologia da Universidade de Brasília (UnB) Wildo Navegantes de Araújo.

Academias

Para evitar a propagação da covid-19, os serviços não-essenciais foram fechados no Distrito Federal. Agora, após a reabertura, é necessário que tanto o estabelecimento quanto os usuários cumpram à risca as medidas de higiene e distanciamento. “O serviço deve não apenas obedecer às recomendações, mas cobrar de seus clientes para que também obedeçam. É importante que as pessoas pesem também o ônus e o benefício de se deslocarem para qualquer atividade não-essencial”, pontua a infectologista Ana Helena Germoglio, do Hospital Águas Claras.

*Estagiária sob supervisão de Fernando Jordão

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação