Tratamento

Paciente em estado vegetativo acorda após tomar remédio para dormir

Caso raro foi relatado em um artigo holandês. Homem vegetava há 8 anos

Thays Martins
postado em 08/10/2020 16:59
 (crédito: Agencia Brasil/Divulgação)
(crédito: Agencia Brasil/Divulgação)

Um caso raro mostrou que um remédio para dormir pode ter o efeito completamente oposto. Um paciente de 37 anos, que estava em estado vegetativo há oito, "acordou" temporariamente após tomar um comprimido de Zolpidem, indicado para insônia.

O caso foi publicado, na terça-feira (6/10), na revista científica Cortex por pesquisadores da Radboud University Medical Center (UMC) e Amsterdam UMC, na Holanda. Richard perdeu a capacidade de falar, comer e se mexer após se engasgar com um pedaço de carne, aos 29 anos. O acidente provocou uma lesão no cérebro devido à longa privação de oxigênio.

O tratamento com o remédio para a insônia foi em caráter experimental. De acordo com a publicação científica, o paciente voltou a falar depois de 20 minutos da ingestão de um único comprimido. O relato diz que ele pediu um fast-food, caminhou um pouco e ligou para o pai. O homem ficou acordado por cerca de 30 minutos e, depois, voltou para o estado vegetativo.

Os médicos continuaram a dar o remédio para o paciente e ele reagiu positivamente, com períodos de atividade de até 2 horas. Porém, depois de alguns dias, a equipe médica percebeu que a eficácia da medicação estava diminuindo.

Como o remédio tem esse poder é uma questão que os cientistas ainda não sabem responder. Eles sugerem que uma relação com a onda cerebral Beta, que é responsável por atividades sensoriomotoras. 

Existem outros casos na literatura médica em que uma pessoa acordou depois de tomar o mesmo medicamento. Em 1999, um paciente da África do Sul que estava em estado vegetativo há três anos acordou ao receber uma dose única de Zolpidem. No início ele só permanecia acordado por algumas horas, mas depois conseguiu manter-se ativo sem o auxílio do remédio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação