EXPLORAÇÃO DO ESPAÇO

Brasil é convidado pelos EUA a participar de programa para levar mulher à Lua

Objetivo da Nasa é, em colaboração com parceiros comerciais e internacionais, levar a primeira mulher à Lua em 2024 dentro do programa Artemis, e estabelecer a exploração sustentável da superfície lunar até o fim da década

Maíra Alves
postado em 20/10/2020 18:15 / atualizado em 20/10/2020 18:16
 (crédito: Jim Watson/AFP)
(crédito: Jim Watson/AFP)

O governo dos Estados Unidos convidou o Brasil, nesta terça-feira (20/10), a integrar o programa espacial Artemis desenvolvido pela Agência Espacial dos Estados Unidos (Nasa) em cooperação com parceiros comerciais e internacionais.

Em uma publicação no Twitter, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Robert O’Brien, ressaltou a honra em convidar o governo brasileiro a participar das explorações. "Em nome do presidente Donald Trump, eu tenho a honra de convidar o Brasil a assinar os Acordos Artemis."

A declaração ocorreu durante encontro de O’Brien com o presidente da República Jair Bolsonaro, e membros do alto escalão do governo federal brasileiro, para discutir os próximos passos dos acordos comerciais firmados, além de oportunidades de novos investimentos norte-americanos no Brasil. 

O conselheiro disse, ainda, que a colaboração entre os países tem como intuito fortalecer os "esforços de exploração espacial para um futuro próximo".


Programa Artemis

A Nasa anunciou, em setembro, os planos para uma nova missão à Lua, que vai incluir um homem e uma mulher. O pouso na superfície lunar deve acontecer em 2024, na missão Artemis 3, terceira fase do Programa Artemis, criado em 2017.  

O programa também pretende estabelecer uma presença "sustentável" na Lua, criando a fundação para que empresas privadas desenvolvam economia no satélite natural da Terra até o fim da década.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação