DOENÇA BACTERIANA

Peste negra: taxa de transmissão evoluiu substancialmente em três séculos

Com base em amostras de DNA, registros de óbitos paroquiais e testamentos de moribundos, pesquisadores da Universidade de McMaster, no Canadá, mostram que a taxa de transmissão da doença bacteriana evoluiu substancialmente em três séculos

Paloma Oliveto
postado em 25/10/2020 07:00
 (crédito: Museum of London Archeology/Divulgação)
(crédito: Museum of London Archeology/Divulgação)

No início do século 17, a morte lançou, mais uma vez, seu pesado manto sobre a Inglaterra. O país, como o resto do continente europeu, dizimado 300 anos pela peste negra, foi ceifado novamente pela doença misteriosa. Ela deixava caroços semelhantes a bulbos, como cebolas, nos gânglios linfáticos, daí recebeu o nome de peste bubônica. Sem remédios que dessem conta de um mal invisível e atribuído a miasmas — vapores putrefatos e doentios que se acreditava emanarem de matéria em decomposição e de solo contaminado —, os enfermos podiam vir a óbito em questão de horas, segundo relatos da época.

Estima-se que 100 mil tenham morrido apenas em Londres, entre 1665 e 1666. Isso equivalia a um quarto da população local. Não foi uma peste tão letal quanto a do século 14, que varreu da Europa um terço de seus habitantes. Mas, de acordo com uma pesquisa da Universidade de McMaster, em Hamilton (Canadá), publicada na revista Proceedings of National Academy of Sciences (Pnas), a taxa de contágio foi muito superior. Uma amostra, ressaltam os autores, de como micro-organismos patógenos podem evoluir, o que deixa importantes lições para o mundo contemporâneo, não só castigado pela covid-19, mas ainda sob um surto contínuo da mesma peste surgida na Idade Média (leia mais nesta página).

Para concluir que a Yersinia pestis, bactéria hospedeira de uma espécie de pulga e que causa a peste bubônica, avançou na taxa de contágio em 300 anos, os pesquisadores valeram-se de uma abordagem multidisciplinar fascinante, que inclui não apenas estudos de DNA, mas de documentos paroquiais e testamentos. Naquela época, os registros de nascimentos e de óbitos eram feitos nas igrejas, fato muito bem descrito no Diário do ano da peste, de Daniel Defoe.

 

Comparações 

Além disso, os cientistas entraram na vida privada dos londrinos setecentistas, lendo testamentos, um tipo de documento que muitos redigiram às pressas, sabendo-se na iminência de uma morte dolorosa e inclemente, que não poupava mendigos, tampouco ricos proprietários. “A data em que um testamento foi escrito pode preceder a morte do testador por um longo período, mas, durante epidemias graves, provavelmente, foi correlacionada com o medo da infecção (e, portanto, com a incidência da doença), assim como em pesquisas na internet por gripe, os sintomas podem predizer os padrões epidêmicos do século 21”, observam os autores do artigo.

“Naquela época, as pessoas normalmente escreviam testamentos porque estavam morrendo ou porque temiam morrer iminentemente. Então, levantamos a hipótese de que as datas dos testamentos seriam um bom substituto para a disseminação do medo e da própria morte. Para o século 17, quando os testamentos e a mortalidade foram registrados, comparamos o que podemos inferir de cada fonte e encontramos as mesmas taxas de crescimento”, diz David Earn, principal autor do estudo. “Ninguém que vivia em Londres no século 14 ou 17 imaginaria como esses registros poderiam ser usados centenas de anos depois para entender a disseminação de doenças.”

Junto, esse material revelou que, enquanto, na peste do século 14 o número de pessoas infectadas durante a epidemia dobrou aproximadamente a cada 43 dias, 300 anos depois, isso acontecia a cada 11 dias. O resultado dessa velocidade assustadora é descrito em detalhes por Defoe, mais lembrado no Brasil pelo personagem Robinson Crusoé.

Embora tivesse 4 anos quando a foice da morte tenha se lançado contra Londres, o escritor, provavelmente por meio de entrevistas de parentes que vivenciaram a tragédia e da consulta a documentos históricos, escreveu seu Diário, considerado uma reportagem precisa e magistral, ainda que narrada, ficcionalmente, em primeira pessoa. “As várias situações horripilantes que apareciam por toda parte, enquanto andava pelas ruas, enchiam minha mente de pavor, de medo da doença, o que era bastante terrível em si e em alguns mais do que em outros”, descreve.

“Os inchaços que, geralmente, surgiam no pescoço ou na virilha, quando endureciam e não arrebentavam mais, tornavam-se tão doloridos que eram iguais à mais sofisticada tortura. (...) Outros, incapazes de se controlar, davam vazão à sua dor com gemidos incessantes. Conforme caminhávamos pelas ruas, ouvíamos gritos tão altos e sofridos de cortar o coração só de pensar neles, principalmente, levando em consideração que o mesmo flagelo terrível poderia atingir a nós mesmos a qualquer instante”, narra.

 

Genética

Esse foi o cenário investigado pela equipe da McMaster. Não apenas com registros históricos, mas genéticos. Segundo Hendrik Poinar, professor do Departamento de Antropologia da universidade e co-autor do estudo, embora se saiba que a Yersinia pestis seja a causadora da peste, ainda não se tem muito conhecimento sobre como a doença foi transmitida, tampouco o comportamento da bactéria ao longo do tempo. Apesar de pesquisas recentes, baseadas em DNA dos restos mortais de vítimas, fornecerem algumas boas pistas, diz Poinar. “Com base nas evidências genéticas, temos boas razões para acreditar que as cepas de bactéria responsáveis pela peste mudaram muito pouco nesse período de tempo, então, este é um resultado fascinante.”

De acordo com o grupo de pesquisadores, a velocidade estimada das epidemias dos séculos 14 e 17, somada a outras informações sobre a biologia da peste, sugerem que, durante esse intervalo, a bactéria não se espalhou principalmente pelo contato humano-humano, conhecido como transmissão pneumônica, com quadros mais graves. As taxas de crescimento para as epidemias inicial e tardia são mais consistentes com a transmissão pela picada de pulgas infectadas.

Os pesquisadores acreditam que a densidade populacional, as condições de vida e as temperaturas mais baixas podem potencialmente explicar a aceleração de contágio. Eles também destacam que, no contexto da covid-19, taxas de crescimento epidêmico e tempo de duplicação da doença devem ser observados atentamente.

Embora reconheçam que o monitoramento atual de hospitalizações e óbitos seja imensuravelmente mais preciso do que o das pestes estudadas por eles, os cientistas destacam que ainda há subnotificações, que podem atrapalhar o conhecimento do peso real da pandemia. Eles ressaltam, especialmente, os casos assintomáticos, dificilmente contabilizados, embora cruciais para o espalhamento da doença. 

Aposta errada em odores

Sem saber que a culpada era uma bactéria chamada Yersinia pestis, até hoje em circulação no mundo, médicos medievais e da idade moderna creditavam aos miasmas — odores putrefatos — a causa de uma série de doenças, da peste à cólera, passando pela malária (de malo aria, ou mau ar, em latim). Absolutamente compreensível, visto que a revolução bacteriana, quando finalmente esses seres microscópicos foram identificados, só ocorreria no século 18.

Nas duas primeiras ondas da peste negra — séculos 14 e 17 —, pouco se podia fazer pelos doentes. Nos anos 1660, médicos se protegiam com a bizarra máscara em formato de bico de pássaro — o objetivo não era assustar os enfermos, mas evitar que os miasmas chegassem até eles. Dentro da máscara, havia ervas aromáticas, que os doutores acreditavam afastar os odores fétidos. Por cima, usavam óculos, para evitar qualquer contato com o ar contaminado.

Porém, a peste nada tinha a ver com o ar. Antes, era trazida por pulgas que sugavam o sangue de roedores, animais muito comuns nos navios e nas cidades europeias, carentes de saneamento, quando o espaço doméstico era o mesmo do ambiente de trabalho, com famílias dividindo o mesmo cômodo com animais e sacos de grãos.

“Pense em uma situação em que metade de sua família ou metade de seus amigos foi embora”, descreve Hugh Thomas, professor de história da Universidade de Miami. “A peste negra foi uma pandemia bacteriana, ao contrário da covid-19, que é causada por um vírus. Ela entrava no sistema e atacava os gânglios linfáticos. Erupções bulbosas apareceriam por todo o corpo acompanhadas de febre, dores de cabeça e calafrios. Como na época não havia conhecimento médico, muitas de suas vítimas morreram dias após terem contraído a doença. A praga duraria cerca de seis semanas, matando ou deixando outros com imunidade de rebanho”, diz Thomas. (PO)

 

Para saber mais


A história se repete

Se a peste do século 14 foi, de alguma forma, descrita por Boccacio no Decamerão — obra de 100 contos narrados por jovens fictícios que fugiam da morte na paisagem rural da Itália —, a do século 17 foi detalhada pelo escritor Daniel Defoe em Diário do ano da peste. Criança quando o surto se abateu sobre Londres, em 1665, ele, contudo, reproduziu com aparente rigor técnico (há inúmeras citações de registros paroquiais, por exemplo) o horror da doença. Interessante notar que muito do que, hoje, o mundo sob a covid-19 vivencia encontra eco nas experiências dos ingleses setecentistas. Defoe narra a descrença de muitos, as medidas de isolamento social (com quarentena obrigatória, sob risco de prisão; proibição de eventos públicos, incluindo atos religiosos, fechamentos de bares e teatros, entre outros), e também a atuação de embusteiros, que receitavam fórmulas sem qualquer comprovação de eficácia. “O povo andava feito louco atrás de curandeiros, charlatões e de toda velha benzedeira em busca de remédios e tratamentos, estocando tamanha quantidade de pílulas, poções e preservativos, como chamavam, que não apenas gastavam seu dinheiro, mas até se envenenavam antecipadamente. Com medo do veneno da infecção, preparavam seus corpos para a peste, em vez de se protegerem contra ela.”

Se parece familiar, talvez soe mais estranho ainda saber que a peste negra não acabou. O mundo enfrenta, desde o século 19, a terceira onda da doença, agora mais concentrada em países da Ásia e da África, embora a bactéria Yersinia pestis já tenha sido identificada em todos os continentes — no Brasil, inclusive.

Porém, apesar dos surtos contemporâneos, a doença está longe de ter o mesmo impacto do passado. Hoje, ela é tratada com antibióticos, além do fato de a configuração do mundo ser bem diferente daquela medieval e do início da modernidade. (PO)

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação