Aquecimento global

Novembro de 2020, o mais quente já registrado na história

As temperaturas de novembro de 2020 foram 0,77 grau centígrado mais elevadas que a média dos 30 anos compreendidos entre 1981 e 2010

Correio Braziliense
postado em 07/12/2020 06:45
 (crédito: ED ALVES/CB/D.A.Press)
(crédito: ED ALVES/CB/D.A.Press)

O mês passado foi o novembro mais quente registrado no mundo, anunciou nesta segunda-feira o programa europeu Copernicus sobre a mudança climática.

De acordo com as análises do programa Copernicus, as temperaturas de novembro de 2020 foram 0,77 grau centígrado mais elevadas que a média dos 30 anos compreendidos entre 1981 e 2010, e superaram em 0,13 ºC o recorde anterior, registrado em 2016 e 2019.

O período de 12 meses entre dezembro de 2019 e novembro de 2020 apresentou temperaturas 1,28 ºC superiores na comparação com a era pré-industrial, destacou o balanço climático mensal Copernicus.

O período de 2015 a 2020 representa os seis anos mais quentes já registrados na história, um resultado que aproxima o planeta do primeiro limite estabelecido pelo Acordo de Paris sobre o clima, que completará 15 anos esta semana.

O pacto, assinado em 2015 por quase 200 Estados que se comprometeram a reduzir as emissões de gases do efeito estufa, pretende conter o aumento das temperaturas abaixo de 2 ºC, e se possível abaixo de 1,5 ºC, para limitar o impacto devastador das tempestades, secas e outros episódios.

Mas o planeta ganha, em média, 0,2 ºC a cada década desde o fim dos anos 1970, recorda o programa Copernicus.

O aquecimento global está próximo de 1,2 ºC e 2020 não parece que vai mudar a tendência.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) anunciou na semana passada que 2020 deve ficar no pódio na lista de anos mais quentes. Os dados provisórios deixam o período, no momento, na segunda posição, atrás apenas de 2016, mas a diferença é tão pequena que a classificação pode mudar.

Ao adicionar os novos dados de novembro, "2020 está ainda mais perto do recorde de 2016", destaca o balanço mensal Copernicus.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE