PANDEMIA

240 israelenses pegam covid-19 após receber vacina; o que isso significa?

Casos de pessoas doentes foram reportados na imprensa israelense, mas isso não quer dizer que foi a vacina que as contaminou

Correio Braziliense
postado em 04/01/2021 22:19 / atualizado em 04/01/2021 22:27
 (crédito: Sameer Al-DOUMY / AFP)
(crédito: Sameer Al-DOUMY / AFP)

Israel está entre os países mais adiantados na vacinação da população contra a covid-19, com quase 1 milhão de doses aplicadas até agora. Agora, a imprensa do país informa que, das pessoas que receberam a imunização adotada no país, fabricada pela Pfizer, 240 foram diagnosticadas com o coronavírus após receber a proteção.

Segundo o site Times of Israel, esses casos não significam que a vacina, ao invés de proteger, infectou as pessoas. A explicação, esclarece o veículo, é que a vacina não garante proteção imediata, ou seja, depois de receber a dose, as pessoas devem continuar se protegendo por algumas semanas.

"Os casos ressaltam a importância dos indivíduos continuarem a se proteger por semanas depois de serem inoculados, uma vez que o corpo leva tempo para desenvolver anticorpos efetivos contra o SARS-CoV-2, vírus que causa a covid-19", informa o site.

A Pfizer, por sua vez, já esclareceu que sua vacina não contém o vírus, logo não pode transmiti-lo às pessoas. A fórmula apenas contém um pedaço do código genético do novo coronavírus, o que faz o corpo produzir anticorpos contra ele, deixando, dessa forma, o organismo protegido caso ocorra alguma infecção.

A Pfizes, por sua vez, já esclareceu que sua vacina não contém o vírus, logo não pode transmiti-lo às pessoas. A fórmula apenas contém um pedaço do código genético do novo coronavírus, o que faz o corpo produzir anticorpos contra ele, deixando, dessa forma, o organismo protegido caso ocorra alguma infecção.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE