Pandemia

Oito vezes mais infeccioso após mutação

Correio Braziliense
postado em 18/02/2021 22:26


Uma mutação na proteína spike do Sars-CoV-2 presente nas variantes que surgiram no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil torna o vírus até oito vezes mais infeccioso em células humanas, comparada à versão original do micro-organismo que se originou na China, de acordo com pesquisa publicada na revista eLife. O estudo, liderado por pesquisadores da Universidade de Nova York (UNY), do Centro de Genoma de NY e do Hospital Mount Sinai, corrobora as descobertas de que essa alteração torna o coronavírus mais transmissível.

“Desde que conduzimos esse estudo, a importância da mutação D614G cresceu: a mutação atingiu uma prevalência quase universal e está incluída em todas as variantes atuais de preocupação”, pontua Neville Sanjana, professor na UNY. “Confirmar que a mutação leva a mais transmissibilidade pode ajudar a explicar, em parte, por que o vírus se espalhou tão rapidamente no ano passado.” Comumente referida como a variante G, a alteração provavelmente surgiu no início de 2020 e, agora, é a forma mais prevalente e dominante do vírus Sars-CoV-2 em muitos países ao redor do globo.

No estudo, os pesquisadores introduziram um vírus com a mutação D614G nas células do pulmão, fígado e cólon humanos. Eles também introduziram a versão “selvagem” do coronavírus — aquela sem a mutação encontrada no início da pandemia — nesses mesmos tipos de células. As análises comparativas mostraram que a D614G aumentou a transmissibilidade do vírus em até oito vezes, em comparação com o vírus original.

Os pesquisadores também descobriram que a mutação da proteína spike tornou o vírus mais resistente a ser clivado ou dividido por outras proteínas. Isso fornece um possível mecanismo para o aumento da capacidade da variante de infectar células, uma vez que a variante mais resistente resultou em uma proporção maior de proteína spike intacta por vírus.

As descobertas da equipe se juntam a um consenso crescente entre os cientistas de que a variante D614G é mais infecciosa. Mas ainda não está claro se a variante e sua rápida disseminação têm um impacto clínico na progressão da doença, já que vários estudos sugerem que a variante D614G não está associada à covid mais grave.

Os pesquisadores observam que as descobertas sobre o aumento da transmissibilidade da variante D614G podem influenciar o desenvolvimento de vacinas — as autorizadas para uso emergencial, bem como aquelas em desenvolvimento, foram criadas usando a sequência de pico original do coronavírus. Por isso, acreditam que pode ser benéfico incluir, nas futuras doses de reforço, diversas formas da proteína spike, isolada de diferentes variantes circulantes.

 

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE