CIÊNCIA

Estudos investigam a semelhança entre comportamento canino e humano

Estudos sobre o comportamento canino indicam que são variadas as semelhanças entre esses animais e os seres humanos. Há sinais, inclusive, de que alguns cães podem ter transtorno de deficit de atenção e hiperatividade

Vilhena Soares
postado em 07/11/2021 06:00
A domesticação antiga também explica a boa convivência entre as espécies: influência genética é outro campo investigado -  (crédito: Catherine LAI / AFP)
A domesticação antiga também explica a boa convivência entre as espécies: influência genética é outro campo investigado - (crédito: Catherine LAI / AFP)

O cão é o animal que mais passa tempo com os humanos, e essa relação é bem-sucedida ao longo de toda a história. Cientistas, porém, ainda sabem pouco sobre o comportamento desses bichos e de que forma os seres humanos os influenciam. Pesquisadores internacionais e brasileiros têm se dedicado a encontrar respostas. Recentemente, descobriram uma maior cumplicidade entre os tutores e os cães, em comparação a animais que vivem em abrigos. Também encontraram, nos pets, indícios de inteligência acima da média (superdotação) e de transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH), traços de personalidade tipicamente humanos.

Surpreendentes, as descobertas sinalizam que há muito a ser investigado sobre esse tema. Principalmente na área comportamental, um campo de estudo ainda recente, segundo a bióloga Juliana Werneck. "Antes, as análises eram focadas no organismo desses animais. Agora, temos um interesse maior em saber por que eles se comportam de determinada forma, e esse é um campo muito amplo, cheio de perguntas", afirma. "Quando falamos que o cachorro se comunica com o seu dono, isso parece óbvio, principalmente para quem vive com esse animal, mas é difícil entender os sinais envolvidos entre as espécies e como uma influencia a outra."

Durante seu mestrado na Universidade de São Paulo (USP), a pesquisadora resolveu se aprofundar nesse nicho de pesquisa. Ela e colegas de equipe selecionaram 60 cães de raças e idades variadas, com três perfis distintos: que viviam com os tutores dentro de casa, que passavam mais tempo fora da residência dos tutores e que moravam em abrigos. Em seguida, a equipe conduziu um experimento em que os animais deveriam retirar um petisco do chão, protegido por um pote de plástico, em apenas três tentativas.

Ao fim do experimento, constatou-se que 95,7% dos cães que viviam dentro de casa usaram a alternância de olhar pelo menos uma vez (entre um humano e o pote), enquanto os animais que viviam fora de casa se comunicaram com menor intensidade (80%). Já o último grupo, cachorros de abrigo, com pouco contato com humanos, interagiram ainda menos (58,8%). "É importante frisar que todos os bichos interagiram, mesmo que em menor grau. Isso mostra que as várias experiências de uma vida inteira vão resultar em comportamentos diferentes", afirma a autora do estudo, publicado na revista Behavioural Processes.

Segundo Juliana Werneck, os resultados refletem uma teoria que tem sido bastante defendida na área de comportamento animal: a de que os aspectos herdados (ancestrais) e aprendidos (ambientais) têm o mesmo peso na formação da personalidade dos cachorros. "Eles têm heranças evolutivas, mas não podemos ignorar a influência que recebem no meio em que se desenvolvem", enfatiza. A cientista, que faz um doutorado na Universidade de Medicina Veterinária de Viena, na Suíça, acredita que os dados do estudo podem auxiliar no convívio das duas espécies. "É importante entender as características desses animais para aprender a lidar melhor com eles e também respeitá-los. É preciso ter essa noção de que influenciamos a forma como eles agem. Com isso, teremos uma relação muito melhor", afirma.

Diogo Cesar, zootecnista e pesquisador do Laboratório de Etologia e Análise do Comportamento (LEAC) da Universidade Uniderp, em Mato Grosso do Sul, conta que outros cientistas chegaram a resultados semelhantes observando também espécies diferentes. "Temos estudos que mostram que os lobos, que estão bem próximos aos cachorros em questão de espécie, têm uma maior facilidade em se comunicar conosco. O cão foi o primeiro animal a ser domesticado pelo homem, e isso foi possível justamente por essa habilidade. Não é à toa que vivemos juntos por tantos anos em uma boa convivência", diz.

Outro ponto positivo do estudo, segundo o especialista, é a constatação de que cães de abrigo conseguem se comunicar, mesmo em menor grau. "Isso serve até como um incentivo para quem pensa em adotar um cão. Esses bichos podem ser ensinados. O fato de apenas passarem mais tempo perto de um tutor, de uma família, faz com que se adaptem melhor a um novo ambiente", justifica. A aposta de Diogo Cesar é que resultados surpreendentes continuem surgindo. "Estamos com muito mais trabalhos nessa área graças ao auxílio da tecnologia. Temos estudos neurológicos e genéticos, com ferramentas que nos permitem ir além e juntar as peças desse quebra-cabeça antigo."

Desatentos

Até a psicologia entra no deciframento desses mistérios. Pesquisadores suecos descobriram traços de TDAH em cães, o que, segundo eles, sinalizaria que aqueles animais mais agitados e dispersos podem não ser apenas malcomportados. Para chegar à conclusão, os investigadores fizeram a tutores de mais de 11 mil cães uma série de questionamentos relacionados ao comportamento dos animais, além de considerarem idade e sexo. A equipe diz ter encontrado mais semelhanças com humanos do que esperava. "Descobrimos que a hiperatividade, a impulsividade e a desatenção eram mais comuns em cães jovens e machos. Esse mesmo tipo de observação, relacionada à idade e ao sexo, também foi vista em estudos com humanos que tinham TDAH", declara, em comunicado, Jenni Puurunen, pesquisadora da Universidade de Helsinque, na Suécia, e uma das autoras do estudo, publicado na revista Translational Psychiatry.

Os especialistas adiantam que mais pesquisas precisam ser feitas para analisar a questão mais a fundo, abrindo espaço, por exemplo, para a investigação de relações entre comportamentos animais e características genéticas e, inclusive, para o entendimento mais aprofundado do transtorno em humanos. "As nossas descobertas sugerem que as mesmas regiões cerebrais e vias neurobiológicas regulam a atividade, a impulsividade e a concentração em humanos e cães. Isso reforça a promessa de que os cachorros são uma espécie de modelo no estudo do TDAH. Em outras palavras, os resultados podem facilitar a identificação e o tratamento da impulsividade e da desatenção canina, bem como promover a pesquisa do TDAH", explica Sini Sulkama, também autora do estudo.

Inteligência de superdotados

 (crédito: Divulgação/Fapesp)
crédito: Divulgação/Fapesp

Ter a inteligência acima da média também pode ser uma característica comum a cães e humanos, segundo um estudo europeu. Cientistas expuseram 40 filhotes e adultos de raças distintas a um programa de treinamento intensivo de três meses, com o objetivo de ensiná-los o nome de pelo menos dois brinquedos para cães. "Inicialmente, levantamos a hipótese de que fatores de desenvolvimento, como a neuroplasticidade dos filhotes, fariam com que eles aprendessem nomes de objetos em um ritmo mais rápido, em comparação com cães adultos. Por isso, recrutamos esses dois tipos de animais", relata Claudia Fugazza, pesquisadora do Departamento de Etologia da Universidade Eötvös Loránd, em Budapeste, e líder do estudo, publicado na revista Scientific Reports.

O protocolo de treinamento incluía interações lúdicas diárias entre o cão e o tutor, durante as quais o humano repetia o nome do brinquedo várias vezes. Havia também sessões semanais com um treinador. "Ficamos surpresos ao descobrir que, apesar do treinamento intensivo, a maioria dos cães, independentemente da idade, não apresentou qualquer evidência de aprendizagem. Mas o que foi ainda mais surpreendente: sete cães adultos aprenderam entre 11 e 37 nomes de brinquedos novos, um desempenho excepcional", conta a pesquisadora.

Para os cientistas, os resultados sinalizam que, assim como acontece com os humanos, alguns cachorros podem ser superdotados. "Esse é apenas o começo de uma jornada que nos levará a entender melhor as raízes do talento — ou seja, por que alguns indivíduos, humanos e outras espécies, são dotados em determinada área", aposta Fugazza. "Mais uma vez, o cachorro, nosso melhor amigo, pode nos ensinar algumas lições sobre nós."

Confirmação difícil

Luis Olivio, médico veterinário comportamental na clínica Star Vet, em Brasília, avalia que investigações que buscam identificar possíveis distúrbios e comportamentos fora da normalidade em cães são positivas, mas difíceis de serem confirmadas. "No caso do TDAH, é difícil dizer o que é um cachorro desatento. Esse tipo de análise é mais fácil de ser feita com humanos. Como vamos dizer que um cachorro tem uma mania? É uma tarefa complicada. Outro ponto a destacar é que o córtex pré-frontal dos humanos, que é afetado no TDAH, é bastante distinto ao dos cães", justifica. "É necessária uma análise ainda mais minuciosa para a comprovação e que também leve em consideração o ambiente em que eles vivem, que é outro grande fator de influência comportamental", complementa.

Segundo o especialista, pesquisas futuras poderão ajudar a entender melhor o comportamento distinto de determinados cachorros, contribuindo para que os animais vivam melhor. "Esses estudos nos mostram que os cães são seres complexos, assim como nós. E é sempre importante lembrar disso para lidar com eles da forma correta. Por exemplo, eles precisam seguir uma rotina de exercícios e boa alimentação, como os humanos", indica. "Entender melhor essas características caninas nos dará ferramentas que ajudem a aumentar a qualidade de vida desses animais".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE