ESTADOS UNIDOS

Número de mães com depressão pós-parto aumentou na pandemia, diz estudo

Pesquisa norte-americana mostrou que o número de mulheres com quadros depressivos após dar a luz quase triplicou quando comparado com dados de antes da pandemia

Camilla Germano
postado em 14/03/2022 17:35
O estudo — publicado na revista científica BMC Research Notes — coletou dados entre fevereiro e julho de 2020 -  (crédito: Freepik/jcomp)
O estudo — publicado na revista científica BMC Research Notes — coletou dados entre fevereiro e julho de 2020 - (crédito: Freepik/jcomp)

Uma pesquisa da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, identificou que as mulheres que tiveram filhos pela primeira vez durante a pandemia eram mais suscetíveis a apresentar quadros de depressão pós-parto. Uma em cada cinco mulheres tinham sintomas depressivos, um valor quase três vezes maior do que antes da pandemia de covid-19.

O estudo — publicado na revista científica BMC Research Notes — coletou dados entre fevereiro e julho de 2020, escutando cerca de 670 mulheres que forneceram informações e completaram a Escala de Depressão Pós-natal de Edimburgo (EPDS), um instrumento de autoavaliação que serve para ajudar pais e mães a saber se precisam procurar ajuda de psicólogos ou psiquiatras. 

As análises identificaram que uma a cada cinco mulheres apresentou sintomas depressivos graves no começo de 2020. Antes da pandemia, o número de mulheres que apresentavam depressão pós-parto era uma em cada oito e cerca de 5% a 7% apresentavam um quadro de depressão mais grave.

Além disso, as análises mostraram que as mães que utilizavam "fórmula" para alimentar seus bebês tinham 92% mais chances de apresentar depressão pós-parto e foram 73% mais propensas a ter sintomas depressivos maiores, em comparação com aquelas que amamentaram. Outro dado identificado foi que as mães que tinham bebês na UTI neonatal tinham 74% mais chance do diagnóstico de depressão.

Mães que estavam preocupadas em contrair covid-19 também apresentaram mais chance de ter sintomas depressivos e cerca de 71% das participantes tiveram depressão pós-parto.

Segundo Clayton Shuman, principal autor do estudo, os dados coletados mostram uma necessidade de se falar mais sobre a depressão pós-parto. “Recursos e educação sobre a depressão pós-parto devem ser melhor divulgados e implementados. Esses recursos devem ser compartilhados com o público em geral para reduzir o estigma e compartilhados com aqueles que fornecem apoio social e emocional às puérperas, como parceiros e familiares”, explica ele.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE