Audiovisual

Festival de cinema infantojuvenil tem programação até 28 de outubro

Com 15 curtas-metragens que podem ser acessados a qualquer momento, de forma on-line e gratuita, o festival Takorama chega ao Brasil com intuito de associar entretenimento e educação

Correio Braziliense
postado em 23/09/2020 20:30 / atualizado em 24/09/2020 09:08
Filme 'Meu estranho avô', de Dina Velikovskaya, uma produção russa -  (crédito: Takorama/Divulgação)
Filme 'Meu estranho avô', de Dina Velikovskaya, uma produção russa - (crédito: Takorama/Divulgação)

O Takorama - Festival Internacional de Cinema segue com programação on-line e gratuita até 28 de outubro. O evento, inédito no Brasil, tem o intuito de proporcionar arte, informação e entretenimento para crianças, adolescentes e educadores. Entre os curtas a serem exibidos estão os premiados O emprego, de Santiago Bou Grasso (Argentina), Meu estranho avô, de Dina Velikovskaya (Rússia) e O complexo do porco-espinho, de LISAA (França). Os filmes podem ser acessados pelo site oficial do Takorama.

Com títulos que falam sobre ecologia, empatia, cidadania e amizade, o festival chega ao Brasil como uma proposta de atividade complementar para as crianças e os jovens no período em que as aulas ainda não voltaram integralmente ao presencial. "O festival on-line foi desenvolvido para o contexto do isolamento social para que as crianças continuem em contato com os professores, mas também com outras crianças e descubram a diversidade cultural que os rodeia", explica, por meio de nota, Christophe Defaye, fundador da Associação Internacional Films pour Enfants, responsável pela iniciativa.

A plataforma do festival oferece um material pedagógico para cada filme a serviço das famílias e dos educadores, que podem debater os filmes e desenvolver atividades educativas junto às crianças. Os professores podem participar do festival com as turmas e incluir a experiência lúdica nas atividades escolares."Além da educação cinematográfica e artística, o festival permite que as crianças vejam filmes de animação não só como entretenimento, mas como uma ferramenta de comunicação", comenta Liana Vila Nova, diretora da América Latina da Associação Internacional Films pour Enfants.

São 15 curtas-metragens de diversos países, com duração média de cinco minutos, divididos em categorias para crianças e adolescentes de 3 a 17 anos. Além de assistir aos filmes, o público poderá opinar e votar no favorito, como uma espécie de júri infanto-juvenil do festival.

Confira o programa:

Curtas-metragens para a faixa etária entre 3 e 5 anos

O edifício, de Tomoyoshi Joko (Japão, 2018)
O filme aborda o respeito às diferenças e a convivência com respeito a partir da história de um grande edifício que salva pequenas casas de uma inundação.

Olá, de Julio Cesar Velazquez (Argentina, 2014)
Olá apresenta adoráveis personagens em formas geométricas aprendendo a se conhecer.

O melhor brinquedo, de Gabriel Lin (EUA, 2014)
Traz uma corrida, perdida de antemão, onde um menino tentará transformar o próprio brinquedo para fazer com que pareça o mais tecnológico dos brinquedos.

Curtas-metragens para faixa etária entre 6 e 8 anos

O tubarão do aquário, de Ashley Farlow (EUA, 2014)
O filme conta a história de um pobre tubarão em seu aquário pequeno.

O complexo do porco-espinho, de LISAA (França, 2013)
O curta traz uma história para refletir sobre o bullying, o sentimento de rejeição, a falta de autoconfiança e as tribulações de uma jovem ouriço.

Você parece assustador, de Xiya Lan (EUA, 2016)
A produção traz à tona emoções comuns para as crianças, como rir de medo do dentista. Quem tem mais medo? O paciente crocodilo ou o coelho dentista que parece não gostar dos dentes afiados do seu cliente?

Curtas-metragens para a faixa entre 9 e 11 anos

Iguais, de D.M.Lara & R.C.Mendez (Espanha, 2016)
Em uma sociedade conformista e uniforme, um pai tenta colocar o seu filho no caminho certo e leva a questionar se é mesmo o melhor caminho.

O cão só, de Mike A. Smith (EUA, 2014)
O filme faz uma homenagem aos desenhos animados dos anos 1940 sobre o sonho de um cachorro em sair de casa.

Meu estranho avô, de Dina Velikovskaya (Rússia, 2011)
O curta traz a amizade entre uma menina e o seu avô excêntrico.

Curtas-metragens para a faixa etária entre 12 e 14 anos

Vagamundo, de Pedro Ivo Carvalho (Dinamarca, 2014)
Para salvar o seu cachorro, o personagem embarca em uma busca frenética em um mundo distópico.

Aparência e realidade, de E.Rogova & Z. Pavlenho (EUA, 2014)
O filme traz uma pequena história sobre os sentimentos que mostramos ou escondemos.

Antípoda, de Frodo Kuipers (Bélgica, 2001)
Tudo vai bem no melhor dos mundos possíveis, até o dia em que, do outro lado do espelho, chega um novo habitante e vira o mundo de cabeça para baixo.

Curtas-metragens para a faixa etária entre 15 e 17 anos

O macaco homem, de J.Tereso & F.Maldonado (Argentina, 2012)
É história de um macaco muito inteligente, lutando contra o desmatamento da floresta amazônica.

O emprego, de Santiago Bou Grasso (Argentina, 2008)
O filme é uma sátira com homens alienados e reduzidos a meros objetos.

Sr. COK, de Franck Dion (França, 2014)
Em busca de eficiência e lucro, o Sr. Cok fabrica bombas e decide substituir seus trabalhadores por robôs.

 

Serviço

Takorama Brasil - Festival Internacional de Cinema
No site do Takorama. Até 28 de outubro. Os filmes do programa podem ser acessados a qualquer horário, de forma gratuita. Indicado para a faixa etária entre 3 e 17 anos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação