Opinião

Opinião: Um (sempre) fã de Eliza

Reprise de 'Totalmente demais' faz com que telespectadores torçam para final de Eliza com Arthur. Mesmo que o caminho exibido entre 2005 e 2006 tenha sido outro

Jota Alcides*
postado em 29/09/2020 10:02 / atualizado em 29/09/2020 10:06
Personagens Jonatas (Felipe Simas) e Eliza (Marina Ruy Barbosa) na novela 'Totalmente demais' -  (crédito: TV Globo/Reprodução)
Personagens Jonatas (Felipe Simas) e Eliza (Marina Ruy Barbosa) na novela 'Totalmente demais' - (crédito: TV Globo/Reprodução)

Novela é sempre novela, sempre um folhetim que dá asas à imaginação, permitindo autor e diretor viajarem no avião da ficção. Mas, nessa viagem, não podem deixar a criatividade ser comprometida por levar por turbulências de insensatez, ou estupidez ou mediocridade. Mais de 80% dos telespectadores brasileiros da novela Totalmente demais (exibida entre 2005 e 2006, mas que está sendo reprisada na Globo devido à pandemia) prefeririam um final (se a novela tivesse um outro roteiro, ou quem sabe um final alternativo já gravado) com o par romântico Eliza e Arthur. Fiz uma pesquisa informal com 100 telespectadores das classes A, B e C em Brasília e cheguei a essa constatação.

E eles têm razão, colocando autor e diretor na berlinda. Ambos parecem perdidos, sem feeling. Isso porque estão preparando ambiente para um final com Eliza e Jonatas. Ora, os telespectadores querem Eliza e Arthur porque desejam a felicidade de Eliza, o sucesso de Eliza. E só Arthur é capaz de proporcionar isso a Eliza. Arthur é um empresário da moda de sucesso, desenvolto, dinâmico, dotado de senso estratégico, articulado, bonito, charmoso, cosmopolita, arejado, culto e convincente. Tem todas as ferramentas para alavancar o sucesso de Eliza nos salões do mundo fashion internacional. Já Jonatas, além de sem charme nenhum, é um desqualificado, desletrado, atrasado, com cara e jeito de roceiro. Nem provinciano é. Não tem nada para oferecer a Eliza, além de sua paixão.

Mas, isso não é vantagem nenhuma pois 100% dos homens desejam Eliza. Se o genial Gabriel García Márquez, tão apreciado por Arthur, estivesse vendo a novela, certamente diria: “Um final com Eliza e Arthur será a felicidade plena dos dois e fará a alegria de milhões de telespectadores brasileiros”. Ou autor e diretor acertam o caminho ou o avião da ficção sofrerá um desastre. Jonatas, despreparado, é um atraso de vida, na vida da Eliza. Vai viver nas costas da Eliza, sugando o sangue da Eliza, fazendo jus ao apelido que ganhou durante a novela: “Carrapato”. Ninguém merece. Muito menos a doce e linda Eliza É algo lamentável, lastimável, inaceitável, rejeitável, deplorável.. Absurdamente demais!

*Jota Alcides é jornalista e escritor em Brasília. Formado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco e Pós-Graduado pela Universidade de Brasília. Tem 13 livros publicados. Entre outros cargos, foi Editor-Chefe da Rede Globo Nordeste(Recife), Diretor de Redação do Jornal do Commércio, o maior jornal do Nordeste brasileiro, Secretário de Redação da Radiobrás(hoje EBC) E Editor-Chefe do Correio Braziliense, o mais importante jornal do Centro-Oeste brasileiro. Entre 2015 e 2016 foi colunista semanal de mídia do Observatório da Imprensa, em São Paulo,sob a direção do saudoso Alberto Dines. Atualmente, está concluindo quatro novos livros, simultaneamente, para publicação pós-pandemia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação