Música

'A ideia do Kudra é (ser) um acalanto', diz Tiê sobre novo trabalho

Criado na quarentena, o disco conta com seis faixas inéditas e participações de Filipe Catto e Amora, filha mais nova de Tiê. 'Kudra' está disponível nas plataformas e terá uma premiére em 17 de outubro

Adriana Izel
postado em 05/10/2020 08:00 / atualizado em 05/10/2020 09:12
 (crédito: Rodolfo Magalhães/Divulgação)
(crédito: Rodolfo Magalhães/Divulgação)

A experiência da quarentena causada pela pandemia do novo coronavírus teve influência musical para a cantora Tiê. Foi a partir do momento de reclusão e de revisão dos hábitos que ela escreveu as canções do novo material, o disco Kudra, composto por seis faixas inéditas e que chegou às plataformas digitais na última sexta-feira (2/10). "Eu realmente tomei cuidado dessa vez com escrever coisas do meu coração, mas pensar nas pessoas e nas situações adversas que todos estavam vivendo", explica em entrevista ao Correio.

Mas nem por isso Kudra é um álbum pesado. Pelo contrário, Tiê transformou a experiência do isolamento social em mensagens de amor com ritmos suaves e com o violão já característico do trabalho da artista. "A ideia do Kudra é (ser) um abracinho quente, um acalanto, é poder acalmar realmente com suavidade e trazer, mesmo nesse momento de caos, uma calminha mesmo", avalia. O que fica evidente, por exemplo, em E nasce uma mãe, segunda faixa do álbum, quando canta: "Importa quanta calma a gente tem/ Dias melhores tão vindo e eu sinto/ O vento daqui".

Ela também diz enxergar no disco a reinvenção que ela tem experimentado na pandemia: "Acredito que esteja também nesse momento de reinvenção... E todos nós, né? É uma coisa cíclica e está todo mundo se reinventado toda hora, ainda mais na situação que está todo mundo passando. A gente tem que se reinventar para conseguir se entender. Vejo isso muito claro neste trabalho".

Músicas do disco Kudra de Tiê

Com produção musical de André Whoong, Gianni Salles, Flávio Juliano e Adriano Cintra, Kudra é "enxuto", como gosta de definir a artista, sendo formado por Crepúsculo, E nasce uma mãe, Lado bom, E daí?, Estranhos e a faixa título. "A ideia era essa. Esse amontoado de músicas era curtinho mesmo. Isso é bom, porque você pode ouvir o disco várias vezes". O motivo? Tiê tem outro lançamento à vista.

Destas seis faixas, duas têm participações especiais. A primeira é em E daí?, que tem a voz de Filipe Catto. "Filipe Catto faz parte da minha vida. Admiro demais, é um grande amigo. Essa música é uma parceria minha e dele, então, fez sentido ele cantar", explica. A segunda ocorre em Kudra, quando Amora, filha mais nova de Tiê, se junta à mãe. "Amora estava comigo lá (no estúdio). Convidei, ela cantou e ficou superemocionada", lembra e ainda emenda dizendo que chora toda vez que escuta a parceria.

Além do lançamento nas plataformas digitais, Kudra terá uma premiére com uma experiência audiovisual sensorial no canal oficial da artista no YouTube em 17 de outubro, às 17h. "Vai ter essa premiére, depois entro ao vivo para um bate-papo. Nesse projeto, a gente vai passear sobre as músicas. Alguns momentos com áudio gravado na hora, outros com áudio do disco. Depois vou abrir para perguntas e conversas com as pessoas", adianta.

Ouça aqui o álbum Kudra de Tiê

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação