MÚSICA

DNA Brasileiro

Correio Braziliense
postado em 16/10/2020 21:38

» Irlam Rocha Lima

O brasiliense Gabriel Grossi é um dos instrumentistas de maior relevância na cena musical brasileira. Com 23 anos de trajetória artística, 11 discos e um songbook lançados, há algum tempo, ele tem cumprido turnês pelo exterior. Sempre em constante atividade, o gaitista — radicado desde o começo da década passada no Rio de Janeiro — é parceiro de destacados compositores da capital federal e de outras regiões do país. O mais recente é o guitarrista violonista e percussionista gaúcho Alegre Corrêa, com 50 anos de carreira e premiado em todo o mundo.
Grossi e Corrêa juntaram os talentos para criar Brasileto, um guia prático de composição, que será lançado hoje, às 19h, com um festival virtual que terá a participação de 30 artistas, entre eles os brasilienses Zélia Duncan, André Vasconcellos e Félix Júnior; e mais Yamandu Costa, Chico Chico (filho de Cássia Eller), Arismardo Espírito Santo, Diogo Figueiredo, Edu Neves, Michael Pipoquinha, Gabriel Moura, William Magalhães (Banda Black Rio) e Derico, ex-integrante do quinteto do programa de Jô Soares.
De acordo com Grossi, o guia prático reúne uma progressão de acordes que pertencem ao universo musical brasileiro e tem em sua estrutura 32 compassos divididos em duas partes, que constroem caminhos sonoros. Foi por curiosidade que ele e Corrêa começaram a busca desse conteúdo teórico. “Há algum tempo, quando o Alegre ainda morava em Viena, estudantes austríacos perguntaram a ele como seria uma típica estrutura na composição brasileira. A partir desse questionamento ele compôs um tema que teve como finalidade mostrar aos estudantes o que era o modelo de composição que resumia a essência da música brasileira”, conta o gaitista.
Após muitas conversas que tiveram, Grossi e Corrêa decidiram aprofundar este conceito, por meio de vasto trabalho de pesquisa do amplo repertório brasileiro, buscando identificar as diversas composições que tinham esta forma musical. A partir daí, eles chegaram à comprovação que essa estrutura é parte do DNA da música popular brasileira. “Acredito que a música popular é o nosso maior patrimônio cultural. É algo que nos colocou em outro patamar conquistando um pleno reconhecimento no cenário mundial”, ressalta o gaitista.
Para Grossi, é preciso reforçar e investir na escola de composição brasileira. “Esse é o nosso diferencial natural. O Brasileto é o modelo brasileiro de compor. Nunca houve no Brasil a definição de um formato de composição organizado de maneira sistemática. Esse guia ajudará os compositores de agora e do futuro a desenvolverem e intensificarem a escola e composição brasileira”, destaca. Nos planos instrumentista, cuja carreira musical teve início no Clube do Choro de Brasília, no final dos anos 1990, estão cursos e composição criativa baseados no formato proposto por ele e Alegre Corrêa no Basileto.

 

Brasileto

Festival Virtual para lançamento do guia prático de composição de Gabriel Grossi e Alegre Corrêa hoje, às 19h, com a participação de 30 artistas convidados. Transmissão pelo YouTube.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação