Música

Em um dueto póstumo, Fagner homenageia Nelson Gonçalves em novo single

'Serenata' une as vozes de Raimundo Fagner e Nelson Gonçalves e anuncia a chegada do novo álbum do cantor e compositor cearense, em dezembro

Correio Braziliense
postado em 27/11/2020 20:34 / atualizado em 27/11/2020 20:35
 (crédito: Jorge Bispo)
(crédito: Jorge Bispo)

Graças a tecnologia, os fãs da música popular brasileira poderão escutar um dueto póstumo entre o grande Raimundo Fagner e o saudoso Nelson Gonçalves, já disponível nas plataformas de música. Se trata da regravação da canção Serenata, de Silvio Caldas e Orestes Barbosa, que usa a voz de Nelson, gravada para um álbum de 1991, como base. O single abre os caminhos para o lançamento do mais novo disco do cantor cearense, que também se chamará Serenata. 

A homenagem, um dueto virtual com um dos maiores cantores do Brasil, fez Fagner recordar histórias dele com o grande ídolo. “Comecei a fazer seresta com as músicas do Nelson, jamais imaginaria que um dia viesse a gravar com ele. Na verdade, nossa relação não começou nada bem. Quando estourei com a música Noturno (Coração Alado), a mais severa e contundente crítica que recebi foi dele, o que muito me entristeceu. Até que um dia o Nelson apareceu no estúdio da antiga CBS, com o produtor José Milton, me convidando pra gravar no disco Eles e eu”, relembrou Fagner, em nota. “Sentamos no mesmo banco do piano pra tirar o tom de Mucuripe e um filme passou pela minha cabeça: a partir daí, nossa amizade era como a de dois adolescentes. Fazer este dueto com o Nelson é realizar um sonho, acho que refiz esta voz umas cinquenta vezes, ainda não caiu a ficha”, completou.

O cantor também conta que na infância já ouvia músicas que definiu como ‘de adulto’ em especial, Silvio Caldas, a quem considerava o maior. “Tive a emoção de apresentá-lo a minha casa, quando voltamos de um show que fiz com Silvio em Fortaleza”, relembrou o músico cearense. Ao todo, foram selecionadas 12 serenatas para o álbum. A difícil escolha contou com a ajuda do amigo produtor José Milton. “Esta foi talvez a parte mais difícil. Meu amigo e produtor José Milton tanto ajudou quanto complicou a minha escolha. Além de grande cantor, ele é um profundo conhecedor deste repertório”, pontou Fagner, que prepara o lançamento do álbum para o início de dezembro.

Serenata é o primeiro disco do cantor lançado pela gravadora Biscoito Fino, e reúne clássicos da música popular gravados originalmente por grandes vozes da Era do Rádio, compostos por Pixinguinha, Silvio Caldas, Cartola, Orestes Barbosa, Vinícius de Moraes e Chico Buarque, entre outros.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE