LANÇAMENTOS

Música de Brasília a todo vapor

» Paula Barbirato*
postado em 31/12/2020 14:13
 (crédito: Pedro Carvalho/Divulgação)
(crédito: Pedro Carvalho/Divulgação)

Transmissão de áudios por aplicativos e reuniões on-line são novidades que marcaram a produção musical e audiovisual de artistas brasilienses que insistiram e não deixaram a arte parar durante a pandemia do novo coronavírus. Trabalho não faltou para Moara, que lançou clipes do EP autoral Do começo ao fim?, além de produzir outras composições nem para Flávio Franklin, que revela, aos poucos, singles do futuro disco.

Em vez de lançar o EP de uma vez, Flávio Franklin optou por divulgar as faixas separadamente. O mais recente é Minha terra, single que tem um significado íntimo para o artista. “Em 2018, comecei a comungar Ayahuasca, que me conectou ainda mais com minha ancestralidade indígena e africana. A letra surgiu enquanto pensava na base da música, em meio a um ritual xamânico. Deixei do jeito que ela veio”, declara.

No processo de gravação, o método utilizado foi o envio de áudios pelo Wetransfer, serviço de transferência de arquivos. Ao lado de Meu dia e Summer love, Minha terra aparece entre as seis músicas que farão parte do disco.

Flávio faz planos para 2021: uma versão da música Aquarius, de 1969, da banda The Fifth Dimension. Em tons psicodélicos, Flávio traz a letra, que fala sobre a Era de Aquário em astrologia, para o presente. “Esse tempo quer dizer para todos despertarem, buscarem autoconhecimento, mudarem a forma de pensar e agir, porque o velho passou e tudo é novo”, explica.

Novos ciclos
Os lançamentos dos clipes do EP Do começo ao fim? no YouTube representa o encerramento de um ciclo, que se transforma em algo novo, para Moara. Acostumada com o som mais orgânico e acústico, desta vez a compositora se expande para o eletrônico em parceria com o DJ venezuelano Fourtwenty sound. “Ele foi extremamente receptivo. Tinha o empecilho do idioma, mas tudo fluiu”, afirma a artista, que garante o novo single com posicionamentos políticos em diferentes realidades.

O EP foi lançado em 2019, com produção na própria residência. A parte visual gerou identificação do público por retratar o espaço da residência e dialogar com o atual momento de reclusão na pandemia. “Eu trago a casa como lugar de intimidade, autoconhecimento e proteção”, pontua Moara.

Apesar da pandemia, Do começo ao fim? teve processo criativo coletivo. Moara fez questão de ressaltar a importância da equipe, composta por Taysa Barros, Thiago Santos, Luciana Duarte, Pedro Carvalho, Alexandra Vinagre, Marina Lima, Léo Ribeiro e Vitor Barbosa.

* Estagiária sob supervisão de Vinicius Nader

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE