Circuito alternativo

Com galeria localizada em Planaltina, artistas propõem projeto para dar visibilidade à produção do Planalto Central

Correio Braziliense
postado em 14/01/2021 20:25

João Angelini nunca se sentiu confortável com a ideia de ter que mudar para São Paulo para ganhar projeção no circuito de artes plásticas. O artista é um nome reconhecido no cenário nacional. Fez parte do grupo Empreza, um coletivo de performance importante, tem representações em galerias do Rio e de São Paulo e está nas coleções do Museu de Arte do Rio de Janeiro (MAR) e da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Ao lado do também artista Luciana Paiva, pensou até em comprar um apartamento na capital paulista para montar ateliê e residência, mas desistiu. Resolveu voltar-se para Planaltina, onde nasceu, cresceu e mora até hoje.
Na Praça da Igrejinha São Sebastião, no centro da cidade, Angelini abriu, em 2018, a Pé Vermelho, misto de galeria, ateliê e centro cultural com o qual pretende movimentar o circuito de artes no Planalto Central. O projeto é uma parceria do artista com Luciana Paiva e Marcela Campos. “A Pé Vermelho surge de uma inquietação relativa à precariedade de atuação profissional e da formação. Existe uma consciência que a gente foi tomando do que é atuar fora de São Paulo, em um país que tem um único circuito de arte concentrado em uma região. Fica claro que essa hegemonia custa nossa precarização. E como superar? A gente está chamando de colonização interna, que está além da arte. O Brasil inteiro se arrebenta muito para manter aquela abundância chamada São Paulo”, diz Angelini.
Para o projeto, o artista planejava comprar a casa de dona Negrinha, patrimônio cultural da cidade que acabou demolido. Mesmo assim, ele conseguiu um espaço central que, nos últimos dois anos, tem passado por reformas para se adaptar ao projeto. Este ano, os idealizadores da galeria dão início a uma série de residências artísticas que prometem movimentar Planaltina até o final de 2021.
No total, o espaço terá três ateliês de 40 m² e uma galeria de 90 m² que vão receber cinco residências com duplas de artistas ao longo do ano. O projeto tem apoio do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) e foi pensado em parceria com Léo Góis. “Será sempre um artista já com certa inserção e um iniciante”, avisa Angelini. No fim de cada residência, haverá uma exposição e, durante o programa, serão oferecidos cursos introdutórios de arte para a comunidade de Planaltina. Clarice Gonçalves é uma das convidadas.
“Pensamos num conjunto de residências que pudesse abarcar uma amplitude grande de gestos, técnicas e discussões, considerando diversidade étnica, gênero e raça. E, no fim, vai ter sempre uma série de palestras. Vamos trazer curadores de grande relevância nacional e internacional para olhar a produção daqui e fazer uma fala”, avisa Angelini.
Cada um dos 10 artistas selecionados vai receber uma bolsa e o atelier ficará aberto para visitação ao longo da residência. “A exposição, claro, é importante, mas ver o atelier em funcionamento enquanto as obras são produzidas é muito mais rico”, garante. Para ele, a prática de residência pode gerar um deslocamento muito produtivo na obra do artista. “É um dos períodos mais ricos, ele acaba sendo contaminado por outro entorno. E Planaltina é um lugar esquisito, porque é Brasília e não é Brasília”, diz o artista, que sempre é questionado sobre a influência modernista na sua produção, mas acaba sendo muito mais tocado pelo aspecto colonial de Planaltina.

Pé Vermelho

Avenida 13 de maio, quadra 57, lote 6, Praça da Igrejinha São Sebastião

“Vamos trazer curadores de grande relevância nacional e internacional para olhar a produção daqui e fazer uma fala”

João Angelini, artista plástico


3
Número de ateliês da casa

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE