JUSTIÇA

Rafael Ilha, ex-Polegar, e a mulher são condenados por tráfico de armas

Em 2014, casal foi preso em flagrante com uma espingarda e munição

Gabriel Elias - Especial para o Uai
postado em 24/06/2021 23:05
Rafael Ilha -  (crédito: Reprodução/Instagram)
Rafael Ilha - (crédito: Reprodução/Instagram)

Com sua carreira bem alimentada em polêmicas ao longo da sua vida, não foi diferente nesta quinta-feira (26/06), pois o cantor Rafael Ilha foi condenado por tráfico de armas internacionais.

Ao lado da sua esposa, Aline Kezh, eles foram condenados pela 8ª Turma do TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). Em 2014, o casal foi preso saindo do Paraguai, em direção ao Brasil. Na ocasião, eles foram detidos logo após passarem pela Ponte da Amizade, em Foz do Iguaçu, no Paraná, portando uma espingarda calibre 12 e 50 cartuchos de munição.

No documento do TRF4, o artista afirmou às autoridades que a arma sem registro custou R$ 2,5 mil e serviria apenas para uso próprio. De acordo com o Ministério Público Federal, a pena definida pelo tribunal é de 2 anos, 10 meses. Já a condenação de Aline é de 2 anos e 8 meses.

O Desembargador Federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz informou no processo que: "A autoria delitiva é inequívoca, recaindo sobre os réus, pois os mesmos confessaram que a arma e as munições foram encontradas em poder de Aline Kezh Felgueira (a ré), enquanto o réu Rafael Ilha Alves Pereira, na mesma circunstância de tempo e lugar, apresentou-se como sendo o proprietário e responsável pelos objetos ilícitos apreendidos", segundo informações do portal UOL.

Rafael surgiu como uma estrela ainda muito jovem, nos anos 80, com o sucesso do grupo Polegar, que tinha o apadrinhamento de Gugu Liberato. Muito conhecido por seu envolvimento com as drogas, Ilha se diz limpo desde 2000 e deu a volta por cima, vencendo o reality A Fazenda e levando o prêmio milionário para casa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE