Prêmio Nobel

Tanzaniano Abdulrazak Gurnah vence o prêmio Nobel de Literatura

Gurnah publicou 10 romances, além de livros de contos, e é conhecido sobretudo pelo livro "Paradise" ("Paraíso") de 1984, ambientado no leste da África durante a 1ª GM

Agência France-Presse
postado em 07/10/2021 09:25 / atualizado em 07/10/2021 09:57
 (crédito: Jonathan NACKSTRAND / AFP)
(crédito: Jonathan NACKSTRAND / AFP)

O romancista Abdulrazak Gurnah, nascido na Tanzânia e há vários anos residente no Reino Unido, foi anunciado nesta quinta-feira (7) como o vencedor do Prêmio Nobel de Literatura pela Academia Sueca, que cumpriu desta maneira a promessa de ampliar seus horizontes geográficos.

Gurnah, que cresceu na ilha de Zanzibar mas chegou à Inglaterra como refugiado no fim da década de 1960, foi premiado por sua escrita "empática e sem concessões dos efeitos do colonialismo e do destino dos refugiados presos entre culturas e continentes".

Gurnah publicou dez romances, além de livros de contos. É conhecido, sobretudo, pelo livro "Paradise" ("Paraíso"), de 1984, ambientado no leste da África durante a Primeira Guerra Mundial. À época, foi finalista do Booker Prize de ficção.

Nascido em 1948, ele começou a escrever aos 21 anos, durante o exílio na Inglaterra. Apesar de o suaíli ser sua língua materna, sua ferramenta literária é o inglês, recordou a Fundação Nobel.

Até sua recente aposentadoria, ele era professor de Literatura Inglesa e Pós-Colonial na Universidade de Kent, em Canterbury. Também é reconhecido como um grande especialista na obra do Nobel de Literatura nigeriano Wole Soyinka e do queniano Ngugi wa Thiong'o. Este último era apontado como um dos favoritos este ano.

Abdulrazak Gurnah é o primeiro autor negro africano a vencer o prêmio mais importante da Literatura mundial desde Soyinka, em 1986.

O prêmio Nobel consiste em uma medalha e na quantia de 10 milhões de coroas suecas (em torno de US$ 1,1 milhão).

No ano passado, a vencedora do Nobel de Literatura foi a poeta americana Louise Gluck.

Promessa

Com um histórico de vencedores dominado por homens ocidentais em seus 120 anos de existência, a Academia Sueca havia assumido o compromisso de tornar o prestigioso prêmio mais diversificado, prometendo ampliar seus horizontes geográficos. No início desta semana, seu presidente destacou, contudo, que o "mérito literário" continuava sendo o "critério absoluto e único".

Dos 118 vencedores do Nobel de Literatura, 95 são europeus, ou norte-americanos, 80% do total. Além disso, são 102 homens e 16 mulheres.

Após o escândalo #MeToo que abalou a Academia e provocou o adiamento do prêmio de 2018 por um ano, a instituição afirmou que ajustaria seus critérios para ter maior diversidade geográfica e de gênero.

Duas mulheres foram premiadas desde 2018: a romancista polonesa Olga Tokarczuk, no mesmo ano, e Gluck.

Em 2019, o prêmio foi atribuído ao austríaco Peter Handke, uma opção polêmica por seu apoio ao ex-presidente sérvio Slobodan Milosevic, que enfrentava acusações por genocídio quando morreu em 2006.

O romancista chinês Mo Yan havia sido o último vencedor não europeu e americano, em 2012.

A Academia Sueca recebe entre 200 a 300 candidaturas até o fim de janeiro. Durante o verão (hemisfério norte, inverno no Brasil), a lista é, então, reduzida para cinco finalistas.

Os cinco membros do Comitê Nobel da Academia estudam a obra dos cinco autores antes de submeter sua escolha ao plenário da Academia, que escolhe um vencedor antes do anúncio em outubro. As deliberações permanecem em sigilo por 50 anos.

A temporada Nobel continua na sexta-feira (8), com o anúncio do prêmio da Paz, e se encerra na segunda-feira (11) com a categoria Economia.

Devido à pandemia da covid-19, pelo segundo ano consecutivo o vencedor receberá o prêmio em seu país de residência.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE