Música

Com indicados nas principais categorias, Brasil domina Grammy Latino

Nesta edição, o pop brasileiro ocupa posição de destaque, com artistas nacionais indicados para concorrer em diversas categorias da premiação

Pedro Ibarra*
Isabela Berrogain*
postado em 10/10/2021 06:00
 (crédito: Tate Wasabi/Divulgação)
(crédito: Tate Wasabi/Divulgação)

Um dos principais prêmios musicais do mundo, o Grammy Latino revelou na última semana os indicados para edição de 2021. Focado nos artistas falantes das línguas espanhola e portuguesa, a premiação dá espaço para artistas de países da América Latina, além de Espanha e Portugal. Este ano, o Brasil foi destaque, com músicos disputando as categorias principais e muitos estreantes no evento. O Correio conversou com quatro dos indicados para saber como é ser nomeado ao mais importante prêmio da música latina do planeta.

Uma das estreantes em indicações é Tuyo, trio curitibano que concorre a Melhor álbum de rock ou música alternativa em língua portuguesa. A banda acredita que essa indicação pode representar uma mensagem. “Espero que o público que acompanha o prêmio compreenda e comemore o seguinte: estamos num momento em que os corpos mais diversos, distantes daqueles antigos e repetidos, têm os autofalantes cada vez mais perto das mãos. É uma movimentação imparável e irreversível. Acho que de todas as celebrações que um prêmio pode trazer e de todos os recados que a nossa indicação pode deixar, esse é o maior”, afirmam os integrantes da banda, que contam que foi uma “gritaria sem fim” quando souberam da indicação ao Grammy Latino pelo disco Chegamos sozinhos em casa.

Quem também estreia na premiação é a banda Maneva, que concorre na categoria Melhor canção em língua portuguesa por Lágrimas de alegria. “A indicação ao Grammy é de uma importância sem tamanho. Chega como o reconhecimento de um trabalho de muitos anos, muita luta também. Não formamos o Maneva para ser algo passageiro, sempre soubemos onde gostaríamos de chegar. Viver da música, mas acima de tudo, para a música, é a nossa verdade”, diz o vocalista Tales de Polli. Segundo o cantor, todos da banda estão “comemorando até hoje” a indicação.

A faixa, que faz parte do álbum de comemoração dos 15 anos do Maneva, é uma parceria com o grupo de reggae brasiliense Natiruts. “Gravar com o Natiruts é a realização de um sonho. Nunca escondemos de ninguém o quão importante eles são na nossa formação musical. Natiruts chegou como um meteoro no mercado, abriu um espaço gigante e conquistou o topo por puro merecimento”, pontua Polli.

Mais um estreante no prêmio é o músico André Abujamra, que disputa Melhor álbum de rock ou música alternativa em língua portuguesa com Emidoinã. “Foi uma grande surpresa! Quando soube da indicação, meu coração quase saiu pela boca. Sei que estou concorrendo com centenas de outros artistas e com muitos trabalhos maravilhosos. Não quero alimentar muitas expectativas quanto à premiação e considero estar entre os seis finalistas na categoria Melhor Álbum de Rock ou de Música Alternativa em Língua Portuguesa, praticamente um prêmio”, comenta o artista. “Só sei dizer que com Grammy ou sem, vou continuar o meu trabalho como faço há mais de 35 anos. A função do artista é revelar o invisível. E quero deixar o mundo um lugar melhor com o amor da minha arte”, complementa Abu.

Por outro lado, a banda Scalene já é veterana no Grammy Latino. Em 2016, ano da primeira indicação do grupo à premiação, a banda brasiliense levou para casa o troféu de Melhor álbum de rock em língua portuguesa pelo disco Éter. “Eu acho muito massa nós termos um Grammy de um disco mais pesado, de um rock que nós já fazíamos e agora estamos indicados pela nossa fase, MPB, em que exploramos um som mais calmo, bem mais brasileiro, mais acústico”, aponta Tomás Bertoni, guitarrista do Scalene. “Acho isso um reconhecimento muito massa da nossa versatilidade e dessa nossa habilidade, que, com certeza, é um dos nossos pontos fortes, de explorar o máximo de vertentes possível que nós achamos combinar com a nossa essência”, completa.

Investimento

Lukão, baixista do Scalene, vê o Grammy Latino como uma oportunidade de valorização dos artistas brasileiros que estão fora da cena mainstream atual. “Quando surge uma chance de artistas que são do midstream, bandas que estão no nível que nós estamos, de ter a oportunidade de concorrer e até ganhar um Grammy Latino, os olhos da indústria, do entretenimento nacional voltam como um todo para esse cenário”, opina o músico.

“Para gente, entender que grandes alicerces da música na América Latina estão ouvindo e prestando atenção no nosso trabalho é um grande amuleto para continuar quando as coisas estão complicadas”, pontuam os integrantes da Tuyo também sobre o fato de que a cultura brasileira está sendo negligenciada pelos governantes.

André Abujamra completa com uma crítica sistêmica a como o governo tem tratado a cultura no Brasil. “Quanto à desvalorização atual da cultura, considero um grande erro econômico, social e político. Uma ação nefasta de gente que não entende o lugar em que vive. É ignorar uma fatia do PIB maior que muitas áreas industriais, um mercado imenso, milhares de trabalhadores que dependem da cultura para sobreviver. A indústria cultural é capaz de renovar a imagem do país. Só cegos por ideologia (e pura ignorância) não conseguem ver o mal que estão causando ao Brasil com esse tipo de atitude”, analisa o músico.

*Estagiários sob supervisão de Severino Francisco

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE