MÚSICA

"Olhar para dentro de si": Marcelo Bonfá detalha inspirações para novo disco

Marcelo Bonfá lança 'Improvável certeza', disco que nasceu do período de autoimersão imposto com o confinamento da pandemia

Pedro Ibarra*
postado em 13/10/2021 20:19 / atualizado em 14/10/2021 06:27
O músico Marcelo Bonfá -  (crédito: Thoms/Divulgação)
O músico Marcelo Bonfá - (crédito: Thoms/Divulgação)

“Só você sabe o que fazer para você ser feliz”, afirma Marcelo Bonfá sobre a forma como vê a própria vida. O músico está num processo de se autoconhecer cada vez mais e, durante esse tempo, compôs e produziu o disco Improvável certeza, mais um trabalho solo do artista que ficou conhecido por comandar a bateria da Legião Urbana. O álbum foi lançado hoje e reúne 10 faixas criadas por Bonfá, que canta e toca todos os instrumentos, menos guitarra, gravada por João Paulo, filho do baterista.

“Eu passei quase o ano de 2020 inteiro no meu sítio, fazendo muitas coisas, e, entre elas, criando muito musicalmente. Quando chegou abril de 2021, eu tinha apenas células de ideias”, conta Marcelo. Ele esteve recluso por conta da pandemia e gravou o álbum de casa quando percebeu que teria um bom material para trabalhar. “O disco, portanto, foi feito em um tempo relativamente curto. As letras e as músicas foram criadas em um período de mais ou menos quatro meses”, acrescenta.

Por estar recluso, Bonfá teve tempo para investigar a si mesmo neste período. O álbum foi se materializando conforme o músico conseguia unir sons ao que estava sentindo neste processo. “Os sons, as sonoridades e os timbres me instigam e me induzem a seguir adiante, sempre me voltando para a música”, comenta o instrumentista. Marcelo afirma que a forma de construção do álbum foi em “um limiar entre o consciente e inconsciente”.

Sobre os temas que rondam o álbum, a maioria é atrelada ao jeito que Marcelo Bonfá vê a vida, principalmente as autodescobertas que fez nos tempos de distanciamento social. “Eu estou falando sobre coisas como privacidade e individualismo, a gente vive em uma sociedade que prioriza o coletivismo para o controle da indústria e o sistema terem o domínio mais fácil das pessoas”, explica, o baterista do Legião Urbana. “Todas as letras falam o meu ponto de vista sobre a dualidade, sobre o comportamento humano, de uma forma geral. O disco trata de um pouco de tudo, sobre individualismo, coletividade, sobre o fato de você ter que olhar para dentro de si mesmo”, complementa.

Contudo, Improvável certeza foi um nome que veio quase na última composição do álbum. Inicialmente, o disco teria outro nome, Antes do amanhecer. “Porque tem uma conotação desse momento ainda escuro, que ainda não é o amanhecer em si. É a forma como eu quero enxergar a posição que estamos hoje como sociedade. Estamos vivendo um momento escuro, muito complicado, confuso, por várias razões”, analisa Bonfá. “Eu queria ir um pouco além, queria colocar algo positivo nisso tudo, algum viés otimista. Bem como aquele ditado: ‘Tudo termina bem. Se não terminou bem, é porque não terminou ainda’”, lembra.

Tecnologia e os novos tempos

Marcelo Bonfá é bastante crítico sobre a forma como a sociedade se relaciona com a tecnologia atualmente. Para ele, as pessoas estão se perdendo na quantidade de informações e deixando de lado o que realmente importa, que são elas mesmas. “É uma faca de dois gumes, a tecnologia é maravilhosa, o problema é que a gente se perdeu neste momento. O que eu vejo agora é todo mundo querendo atenção nas redes sociais. Então, as pessoas falam qualquer besteira e quem não tem tanta convicção e está perdido ali nesse meio acaba ficando entregue e afogado nos outros”, avalia o compositor. “Todos precisam focar em coisas que não si mesmos e acabam não percebendo que se perdem. Não sabem quem são, do que gostam, o que querem fazer. Um mundo totalmente disperso e perdido”, completa.

“A internet banalizou tudo”, brada o artista, que diz estar saturado da quantidade de conteúdo que chega a ele a toda hora. “Não consigo nem focar”, diz. “A minha vida inteira eu falei da pressão, da indústria, da massificação, de querer ter atenção o dia inteiro e, mesmo assim, hoje em dia não mudou. A coisa que o ser humano mais quer é atenção”, reflete, passando desde o início da carreira com o Legião até a atualidade. “A gente chegou em um momento tão complicado e confuso, cheio de informação falsa que eu nem sei mais em que acreditar”, adiciona.

Entretanto, Bonfá acha que estes tempos vão passar. “Isso é uma fase e vai passar, está mais do que óbvio que precisamos mudar o comportamento humano”, comenta o músico, que também acredita na arte como importante para estabelecer novos tempos. “A arte é a coisa que tem maior poder de transformação na vida, muito mais do que qualquer política, qualquer coisa. Porque ela não encontra subterfúgios para entrar no ser humano. Seja a música, a dança, o teatro, a poesia, a arte chega de uma forma que ela entra em você e te dá o pontapé inicial para você se autoconhecer”, argumenta o baterista da Legião.

Marcelo Bonfá acha que o segredo está em se ver como um indivíduo perante toda essa imensidão de informação e não tentar seguir a manada. E deixa um ensinamento, ao avaliar toda própria trajetória. “Eu acho que é necessário acreditar em si mesmo. Hoje, depois de um certo tempo, percebo que é importante se voltar para si, conhecer a si mesmo, o autoconhecimento é tudo”, afirma o integrante da Legião Urbana.

“Eu acho que é necessário acreditar em si mesmo. Hoje, depois de um certo tempo, percebo que é importante se voltar para si, conhecer a si mesmo, o autoconhecimento é tudo.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE