Teatro

Peça "Madame Blavatsky" traz para o palco vida de importante filósofa russa

Montagem se passa no último dia de vida de Helena Blavatsky, exibindo universo único da personagem de forma mais palatável e poética ao público

Mariana Saraiva*
postado em 07/05/2022 00:00 / atualizado em 07/05/2022 16:48
 (crédito:  Marlon Maycon/Divulgação)
(crédito: Marlon Maycon/Divulgação)

O espetáculo Helena Blavatsky-a voz do silêncio é inspirado na vida e obra da escritora e filósofa russa Helena Blavatsky. Uma mulher notável do século 19 que foi fundamental para o pensamento moderno. A mostra estreia neste sábado (7/5), no teatro Royal Tulip. A peça traz uma profunda reflexão sobre a busca do homem pela filosofia, espiritualidade e existência humana. Com autoria da professora e filósofa Lúcia Helena Galvão.

Anteriormente o projeto passou por três temporadas de apresentações remotas, com cerca de 10 mil pessoas onlines no mundo inteiro; Sendo esta a primeira exibição presencial após o cenário de pandemia. Trata-se de um monólogo intenso e poético, que convida o telespectador a mergulhar na intimidade de Blavatsky. “Queria passar um aspecto mais interno, Helena dentro de sua consciência, diante de si mesma” Declara a autora Lúcia Helena.

A montagem tem como um de seus princípios, fazer as pessoas entenderem o universo único da personagem de uma forma mais palatável que nos livros de Blavatsky. Mostrando uma mulher a frente de seu tempo, com pensamentos visionários, viajou o mundo em busca de conhecimento acerca da verdade humana.

O enredo se passa no último dia de vida de Madame Blavatsky, em um recorte do seu quarto em Londres, no frio do século19. Onde ela se encontra sozinha em seus últimos instantes. Mergulhando em suas memórias, questionando as consequências de suas atitudes. Relembrando todas as viagens e conhecimento adquirido ao longo de sua existência.

A atriz Beth Zalcman incorpora a personagem e faz uma imersão da plateia, em experiência inédita de como Helena sentia o mundo e tudo a sua volta. “É uma peça delicada e profunda, que eleva o telespectador para um universo íntimo da busca pela verdade da existência” Conta Zalcman

O diretor do monólogo, Luiz Antonio, conta que a trama é algo delicado de se dirigir por conta da essência e profundidade da ficção. “ As questões sobre a vivência juntam a espiritualidade com a arte” Afirma. Ao final de cada sessão a autora, atriz e o diretor se sentam diante do público para um bate-papo sobre a história de Blavatsky. Um momento aberto a resposta de dúvidas.


Helena Blavatsky, a voz do silêncio

TEATRO ROYAL TULIP – Hotel Royal Tulip (SHTN Trecho 1 - Brasília, DF, 70297-400). Dia 07 de maio às 18h e 21h. Ingressos à venda com cartões na Belini 113 sul e no site bilheteriadigital.com/decaproducoes

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE