Mercado imobiliário no DF bate recorde em meio à pandemia

Índice de Velocidade de Vendas (IVV) chegou a 11,1% em junho, melhor resultado da série histórica

Jailson Sena*
postado em 12/08/2020 12:39 / atualizado em 12/08/2020 12:40
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)

Mesmo com os reflexos da pandemia, o Índice de Velocidade de Vendas (IVV) do mercado imobiliário do Distrito Federal teve um resultado positivo. O IVV registrou 11,1% no mês de junho, melhor resultado da série histórica, iniciada em 2015.

Na avaliação da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), "a alta demonstra que incorporadoras e construtoras do DF atravessaram com sucesso as incertezas geradas pelo novo coronavírus, e que estão preparadas para um novo ciclo de crescimento no pós-pandemia”.

Em relação ao desempenho médio do segundo trimestre, impactado pela crise sanitária, houve um crescimento de 7,7%. “Há um conjunto de fatores para explicar esse resultado. A taxa Selic despencou e ao mesmo tempo foram reduzidas as taxas do financiamento imobiliário, criando melhores oportunidades para a compra de imóveis”, explica o presidente da Ademi-DF, Eduardo Almeida.

Ele complementa que “houve uma busca maior por imóveis, inclusive por unidades de maior tamanho, fruto da pandemia, que ressignificou a importância da moradia”.

O Noroeste liderou o ranking das regiões com mais vendas, com 71 unidades comercializadas, seguido das regiões de Santa Maria, 68 imóveis, e Planaltina, 51 unidades. Segundo a pesquisa, 72,4% dos imóveis residenciais comercializados em junho estão em obras e 27,6% estão prontos. Já o estoque de imóveis residenciais alcança 3.039 unidades no Distrito Federal, o suficiente para atender a demanda pelos próximos nove meses segundo a Ademi.

*Estagiário sob supervisão de Fernando Jordão

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação