Maia ameaça planos de saúde com PL que suspende os aumentos por quatro meses

Segundo o presidente da Câmara os representantes do setor se queixam de impacto de 8% no valor dos planos com a reforma tributária

Luiz Calcagno
postado em 20/08/2020 15:17
 (foto: Maryanna Oliveira/Camara dos Deputados)
(foto: Maryanna Oliveira/Camara dos Deputados)

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ameaçou botar na pauta um projeto de lei do senador Eduardo Braga (MDB-AM) que suspende reajustes nos planos de saúde nos próximos quatro meses, caso a Agência Nacional de Saúde (ANS) não aja contra o atual reajuste de 25% desses planos. Maia demonstrou insatisfação, e afirmou, ainda, que o setor reclama da reforma tributária enquanto pesa a mão na hora de cobrar a conta do cidadão.

“A ANS garantiu que toma uma decisão entre hoje e amanhã. Se não, vamos votar o projeto do senador Eduardo Braga, que suspende os aumentos por quatro meses. Fui surpreendido e impactado quando descobri esse aumento na ordem de 25%”, reclamou Maia.

Segundo o presidente da Câmara os representantes do setor se queixam de impacto de 8% no valor dos planos com a reforma tributária. “Para isso, eles reclamam. Mas, para dar aumento de 25%, não prejudica. Foi ruim”, disparou.

O presidente da Câmara afirmou ainda, que prefere dialogar. Mas tratou o reajuste como um abuso. “Todo mundo sabe que sou de diálogo. Minha pauta é contra a intervenção e já fui, até, criticado por isso. Mas não dá para um plano de saúde que transferia a seus prestadores de serviço 85% das receitas, por causa da pandemia, a demanda por serviços que reduziu para 60% e a inadimplência cresceu menos de 2%, porque as pessoas estão com medo de deixar de pagar, aumentar um plano. Mesmo empresarial, em 25% é um desrespeito com a sociedade”, afirmou.

“Se estivessem encaminhado a inflação, seria ruim, mas entenderíamos. Um aumento de 25% em um setor que teve pouco impacto negativo pela crise, vamos reagir e se a ANS não tomar uma decisão. Nós vamos pautar a matéria”, avisou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação