BANCO CENTRAL

Sem nota de R$ 200, poderia faltar dinheiro em papel no Brasil, diz BC

Segundo o Banco Central, a pandemia elevou em R$ 105,9 bilhões a necessidade de papel moeda no Brasil.

Marina Barbosa
postado em 02/09/2020 14:52 / atualizado em 02/09/2020 14:59
Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB -  (foto: Raphael Ribeiro/BCB)
Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB - (foto: Raphael Ribeiro/BCB)

A diretora de Administração do Banco Central (BC), Carolina de Assis Barros, disse que poderia faltar dinheiro em papel no Brasil caso a cédula de R$ 200 não fosse criada. A nova nota entrou em circulação nesta quarta-feira (2/9), como uma resposta do BC à crise e às mudanças de comportamento trazidas pela pandemia de covid-19.

"Se nenhuma medida incisiva fosse tomada, poderíamos sim ter falta de numerário", afirmou Carolina, na apresentação da cédula de R$ 200. "As projeções do BC indicavam que o numerário disponível poderia não ser suficiente para atender à demanda da população", acrescentou.

Ela explicou que um dos desafios trazidos pelo novo coronavírus foi "uma demanda excepcional da população por papel moeda". Afinal, "o dinheiro em espécie ainda é a base das transações no Brasil" e "em épocas de incerteza, como em uma pandemia, dinheiro significa segurança". "Famílias e empresas fizeram saques para acumular reservas", frisou.

Esse fenômeno, chamado de entesouramento, só cresceu com o pagamento do auxílio emergencial, já que o benefício chegou a mais de 67 milhões de brasileiros, segundo o presidente do BC, Roberto Campos Neto.

"Em momentos de incerteza, é natural que as pessoas busquem a garantia de uma reserva em dinheiro. Os programas de transferência de renda implementados para enfrentar os efeitos negativos da crise e a extensão do programa de auxílio emergencial também contribuem para essa maior demanda por dinheiro em espécie em nosso país. Além disso, com a crise, o ritmo de retorno das cédulas à rede bancária é menor, já que diminuiu a quantidade de transações presenciais no comércio", reforçou Campos Neto.

O BC estima, então, que a pandemia elevou em R$ 105,9 bilhões a necessidade de papel moeda no Brasil. "A projeção do BC chegava a R$ 301 bilhões em circulação até o fim do ano. Mas já temos R$ 350 bilhões circulando. Fomos para a prancheta rever as projeções e vimos que havia a necessidade de R$ 105 bilhões que precisavam ser gerados em cinco meses", contou Carolina.

Ela disse ainda que, se o BC não suprisse essa demanda extraordinária, havia o risco de faltar dinheiro e, consequentemente, itens essenciais na casa dos brasileiros de baixa renda. "Falta de cédulas e moedas poderia significar o não acesso de grande parcela da população a itens de consumo básico", afirmou.

Medidas

Para resolver esse impasse, o BC passou a usar seu estoque de segurança, antecipou encomendas de cédulas à Casa da Moeda e chegou até a considerar a possibilidade de importar cédulas. Porém, não conseguiu levar essa última possibilidade à frente. Por isso, decidiu que a melhor saída era criar a nova cédula de R$ 200. O valor foi escolhido, segundo Carolina, porque era a única forma de atender à demanda de numerário existente ainda neste ano dentro das limitações fabris da Casa da Moeda.

"Imprimir cédulas de R$ 100 não seria uma alternativa factível, pois a capacidade de produção da referida denominação em 2020 já estava integralmente adquirida. Nesse contexto, a decisão técnica capaz de fazer o melhor uso de recursos escassos para produzir o máximo de resultado foi a introdução de nova denominação de valor mais alto, os 200 reais", afirmou a diretora do BC.

Roberto Campos Neto confirmou que esta foi a saída encontrada para o BC cumprir o seu mandato de "fornecer cédulas e moedas de modo a atender às necessidades da sociedade de forma adequada". Mas ressaltou que o pré-projeto da cédula de R$ 200 já existia desde 2010. "Esse momento, com essas necessidades,se mostrou oportuno para o lançamento de uma cédula
de maior valor", alegou.

  • Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB
    Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB Foto: Raphael Ribeiro/BCB
  • Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB
    Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB Foto: Raphael Ribeiro/BCB
  • Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB
    Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB Foto: Raphael Ribeiro/BCB
  • Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto:
    Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Foto: Raphael Ribeiro/BCB
  • Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB
    Brasília, 02/09/2020. O Banco Central (BC) lançou nesta quarta-feira (02/09) a nova nota de R$ 200,00 com a imagem do lobo-guará. Foto: Raphael Ribeiro/BCB Foto: Raphael Ribeiro/BCB
  • Cédula de R$ 200
    Cédula de R$ 200 Foto: Divulgação
  • Cédula de R$ 200
    Cédula de R$ 200 Foto: Divulgação
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação