Mercado S/A

Amauri Segalla
postado em 03/09/2020 00:56 / atualizado em 03/09/2020 00:58
 (foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil - 2/9/20 )
(foto: Marcelo Camargo/Agencia Brasil - 2/9/20 )

Os sinais positivos na economia

A economia começa a dar sinais positivos. Um dos indicadores que tornam o processo de recuperação mais visível é o CDS (Credit Default Swap), ou risco país, que consiste em uma unidade de medida para investidores estrangeiros saberem se é seguro ou não injetar recursos em uma determinada nação. Quanto mais baixo o indicador, maior é a confiança dos investidores. Ontem, o CDS brasileiro chegou a 196 pontos, o que representou a quarta queda consecutiva. No auge da crise, em março, o índice havia alcançado recordistas 382 pontos. Outra boa notícia veio da indústria automotiva. A venda de veículos cresceu 5,1% em agosto na comparação com julho, de acordo com balanço divulgado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Os índices de confiança de empresários e consumidores também estão perto de alcançar os níveis pré-pandemia, o que reforça a tese da retomada econômica.

Brasil sobe, mas faz feio em ranking de inovação

O Brasil avançou quatro posições no Índice Global de Inovação (IGI), mas isso não deve ser motivo de orgulho. Agora, o país ocupa o 62º lugar. Trata-se de uma colocação bastante modesta, considerando que o PIB brasileiro é o nono maior do mundo. Além disso, o pequeno salto deve-se mais ao fiasco dos outros países, que tiveram suas pontuações rebaixadas, do que propriamente ao desempenho do Brasil. Como em 2019, a lista é liderada pela Suíça e a lanterna ficou com o Iêmen.


O irresistível avanço das fintechs

A fintech Neon acaba de receber US$ 300 milhões em uma nova rodada de investimentos. Não é um caso único. Em 2020, o setor continua a toda velocidade. Há uma semana, o Nubank havia captado valores idênticos. Também recentemente, a Origin, focada em consultoria financeira, angariou US$ 12 milhões. A prosperidade do setor representa uma ameaça para os bancos tradicionais. Enquanto as fintechs ganham fatias preciosas de mercado, as instituições mais antigas fecham agências e demitem funcionários.


Shoppings recuperam parte do movimento

Nas últimas duas semanas, o movimento nos shoppings brasileiros cresceu cerca de 20%, segundo dados da Alshop, a associação do setor. Apesar de positivo, o avanço é modesto e está longe de representar um alívio para os lojistas. Estima-se que a pandemia destruiu 120 mil empregos e deixou R$ 70 bilhões em prejuízos. De todo modo, a recuperação tem sido mais rápida do que havia sido imaginado, mas é provável que os números pré-coronavírus só sejam alcançados no ano que vem.


17%
Foi quanto cresceram, em 2019, as transações financeiras via celular ou tablet, segundo
estudo do Banco Central. A previsão é um aumento ainda mais expressivo em 2020

Rapidinhas

» Nem a Austrália, que cresce desde 1991, resistiu à crise do novo coronavírus. No segundo trimestre, o PIB encolheu 7% — é o maior tombo da história. Até agora, apenas uma nação avançou no período: a China, com uma disparada de 11,5% do PIB. Os asiáticos tinham sofrido mais no começo do ano, com queda de 10% da economia no primeiro trimestre.


» A Via Varejo, dona das marcas Casas Bahia e Ponto Frio, acelerou sua incursão digital. Em junho de 2019, a empresa tinha 1,5 milhão de usuários ativos em seus aplicativos. Agora, são 15 milhões. O crescimento vertiginoso traz desafios. No ano passado, a Via Varejo foi a segunda companhia com mais reclamações no
Procon-SP, atrás da TIM.


» Poucas vezes uma campanha eleitoral nos Estados Unidos mobilizou tantos empresários quanto a disputa presidencial entre Donald Trump e Joe Biden. Ex-número 1 do Google, o bilionário Eric Schmidt endureceu o tom contra Trump.


“Na pandemia, pessoas morreram desnecessariamente porque o governo foi lento para reagir”, disse.


» A crise continua séria na aviação. Ontem, a americana United Airlines informou ao mercado que deverá cortar o emprego de 16 mil funcionários, o que faz parte de seu plano radical de redução de custos. Nos Estados Unidos, desaparecem 50 mil postos de trabalho ligados ao setor aéreo em 2020.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação