Ministério do Meio Ambiente desmontou o que foi criado em décadas, diz Maia

Maia disse que a Câmara vem tentando atuar com projetos conjuntos para os setores do meio ambiente, agronegócio e área financeira

Agência Estado
postado em 03/09/2020 14:34 / atualizado em 03/09/2020 14:34
No seminário Retomada Verde, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o Ministério do Meio Ambiente do governo Bolsonaro desmontou o que foi criado em décadas. "Começamos a ter impacto nas decisões de investimento, sabemos que temos condições de atrair o capital externo, mas com a piora da imagem do Brasil e a perda de confiança, o capital está indo embora", comentou.
Maia disse que a Câmara vem tentando atuar com projetos conjuntos para os setores do meio ambiente, agronegócio e área financeira, a fim de ampliar esse debate e promover a melhoria da imagem do país, sobretudo junto aos investidores.
"Do ponto de vista da Câmara, estamos tentando construir consensos para mostrar a importância da preservação do meio ambiente para que o País recupere a capacidade de atração de investimentos num ambiente seguro, com duas âncoras importantes: a fiscal e a ambiental", afirmou o presidente da Câmara. "Sem essas duas âncoras, nada será relevante", emendou, destacando que isso tem de ser preocupação permanente.
Maia disse que durante a pandemia o tema meio ambiente voltou com força, muito pela pressão de setores da sociedade e dos investidores, não apenas os estrangeiros, mas do próprio País. E isso levou o governo a colocar a questão em debate, com o vice-presidente Hamilton Mourão à frente.
"Essa é uma agenda de prioridade para todos os brasileiros e houve pressão de todos para mais transparência e ação do governo", frisou Maia, citando que no parlamento foi obrigado a segurar alguns projetos que poderiam gerar mais polêmica e insegurança para os que olham o Brasil com potencial de investimento. E ironizou, dizendo que "todos falam que o Brasil é o País do futuro, mas o dinheiro está indo embora".
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação